Aquicultura para todos

Global Shrimp Forum 2023O Global Shrimp Forum tem como objetivo lançar uma nova luz sobre o comércio de camarão

Camarão Consumidores Economia +5 mais

Uma comparação de dados concretos e evidências anedóticas das principais regiões produtoras e consumidoras de camarão do mundo será o tema de uma sessão plenária especial em duas partes no Global Shrimp Forum deste ano.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
Vista aérea de uma fazenda de camarão

A conferência principal da Global Shrimp Conference terá início com uma sessão dedicada a descobrir a verdade por trás das últimas estatísticas de exportação e importação

Acontecendo em Utrecht entre 5 e 7 de setembro, o fórum está programado para atrair mais de 500 delegados de todo o espectro da criação de camarões. Após uma série de eventos paralelos, sessão plenária de abertura e encontros sociais, a conferência principal terá início com uma sessão dedicada a averiguar a verdade por trás das últimas estatísticas de exportação e importação.

A primeira parte da sessão contará com representantes de algumas das maiores empresas produtoras de camarão nos maiores países exportadores de camarão do mundo: notadamente Gabriel Luna, proprietário da Luna Shrimp no Equador; Sree Atluri, diretor da Devi Seafoods na Índia; Aris Utama, diretor da Bumi Menara Internusa na Indonésia; e Tuan Ngo, diretor de clientes da Quoc Viet, no Vietnã.

"Esta sessão será rápida e dinâmica, vamos apresentar uma quantidade absurda de dados - os participantes da conferência podem baixar todos os slides e usá-los como referência - para definir o cenário da conferência", explica o cofundador e diretor administrativo da conferência, Willem van der Pijl.

Exportações do Equador

"Todos estão perdendo dinheiro no momento, é o que dizem, mas o Equador continua a aumentar seus volumes. Tanto os dados quanto os rumores sugerem que o aumento da produção provavelmente continuará. Se você ouvir com atenção, no Equador quase todo mundo está em modo de crescimento. Com todos os investimentos recentes que os equatorianos verticalmente integrados fizeram para aumentar sua capacidade de processamento, eles precisam operar suas fábricas em um determinado nível. E isso torna muito improvável que vejamos qualquer queda na produção em um futuro próximo. Os dados também confirmam isso", ressalta van der Pijl.

"Quanto tempo essas empresas podem se dar ao luxo de perder dinheiro é uma questão que espero que o painel aborde - é provavelmente a maior questão que existe. Quanto tempo elas podem durar e quais serão as consequências para o restante do setor?", pergunta ele.

"Será que outros países serão forçados a reduzir a produção ou a demanda do mercado aumentará, porque os preços do camarão ficarão tão baixos por um período tão longo que seu preço em comparação com outras proteínas melhorará", acrescenta ele.

Embalagem de camarão no Distrito de East Medinipur, Índia

Os dados de exportação de camarão na Índia mostram que o primeiro trimestre de 2023 foi um recorde histórico, embora haja discrepâncias entre os dados oficiais e a sensação geral de que os números de produção estão sofrendo uma grande queda

Irregularidades estatísticas da Índia

Em termos de números da produção indiana, van der Pijl observa que há grandes discrepâncias entre os dados oficiais e a sensação geral de que os números da produção estão sofrendo uma grande queda. É um enigma que ele está tentando entender no momento.

"As pessoas dizem - e alguns dados sugerem - que a produção deve estar caindo em até 30%. Mas os dados de exportação não sustentam isso: o primeiro trimestre de 2023 foi um recorde histórico; enquanto em abril e maio, embora as exportações tenham caído 10% e 12%, respectivamente, em relação ao ano anterior, não foi o que se esperaria se olhássemos para os níveis de importação de reprodutores, que caíram 30%, ou ouvíssemos os rumores no campo", observa ele

De acordo com van der Pijl, há duas explicações possíveis.

"Uma delas é que a queda na produção está ocorrendo em outros estados, e não em Andhra Pradesh [a maior região de cultivo de camarão da Índia]. A outra é que os estoques que os exportadores tinham da última safra de 2022 eram tão grandes que esse produto ainda está sendo empurrado para o mercado em abril e maio", reflete ele.

"Espero que até setembro, quando teremos os dados completos de exportação do primeiro e segundo trimestres e os dados mais recentes de importação e produção de reprodutores, possamos esclarecer melhor a situação real", acrescenta ele.

Entretanto, de acordo com Van der Pijl, a situação no Vietnã e na Indonésia parece ser um pouco mais clara.

"Em ambos os países, observa-se uma forte queda nas exportações nos primeiros seis meses de 2023 - a situação parece ser pior do que na Índia. A combinação de custos de produção mais altos em comparação com a Índia e o Equador, e o preço de mercado decrescente do camarão, está dificultando a vida dos produtores nesses países", observa ele

Também é possível que as diferentes características dos setores em diferentes regiões tornem alguns mais fáceis de obter uma imagem do que outros.

"É menos difícil entender o que está acontecendo no Vietnã e na Indonésia, ao passo que na Índia os rumores de um lado do país podem contradizer os rumores de outra área, tornando a situação indiana muito mais difícil de ler", sugere van der Pijl.

Instalação de processamento de camarão no Vietnã

No Vietnã, houve uma queda nas exportações durante os primeiros seis meses de 2023, devido a uma combinação de custos de produção mais altos e à diminuição do preço de mercado do camarão © ASC

Tendências de importação

A segunda parte da plenária se concentrará na demanda por camarão.

As estatísticas de importação para os EUA serão analisadas por Henry DelaLlana, diretor sênior de compras da Chicken of the Sea; para o Japão, por Hidetami Haruta, comprador de camarão da Maruha Nichiro; Pablo Resnik, CEO da Roda International; e Peter ter Heide, diretor administrativo da Lenk Frozen Foods.

"A grande questão para todos os mercados é por quanto tempo a paralisação da demanda e a redução dos preços no mercado continuarão. Acho que as pessoas esperavam que a demanda se recuperasse durante o verão, mas até agora parece que isso não aconteceu e a situação de excesso de oferta ainda existe", reflete van der Pijl.

Ele está intrigado em saber como - nos primeiros seis meses do ano - as empresas que detêm estoques nesses mercados conseguiram vender o camarão que compraram a um preço mais alto e até que ponto conseguiram repor esses estoques com outros de preço mais baixo.

"Esse pode ser o principal obstáculo que o setor precisa superar para alcançar novamente uma dinâmica de demanda mais saudável. Essa é uma das principais questões que esperamos que nossos quatro ilustres membros do painel possam esclarecer", explica ele.

Van der Pijl também está ansioso por uma discussão sobre a evolução da concorrência entre os principais fornecedores, em um momento em que o setor está passando por uma espécie de corrida armamentista em termos de processamento.

"O Equador está crescendo mais do que todos os outros fornecedores, mas onde ele está ganhando mais participação no mercado? Todos nós sabemos que o alvo principal é a China, pois é lá que eles podem vender o camarão com cabeça e casca da mais alta qualidade a um preço premium e com um giro de volumes mais fácil em comparação com qualquer mercado de camarão descascado. Mas, é claro, a questão mais importante para quase todos os outros fornecedores do mundo é se o Equador continuará a aumentar a concorrência no segmento descascado, que antes era dominado por fornecedores asiáticos e latino-americanos", observa van der Pijl.

Camarão recém-colhido

© Shutterstock

"Espero que possamos realmente esclarecer se o Equador está aumentando sua participação no mercado em outros países além da China e também em quais segmentos dentro desses mercados - em termos de camarão com cabeça, com casca; sem cabeça, com casca; descascado; cozido; e com valor agregado - ele está ganhando participação de mercado e ganhando participação de mercado", acrescenta ele.

O perigo para outros países exportadores importantes, adverte van der Pijl, é que o Equador entre no segmento de camarão descascado. Enquanto isso, acrescenta ele, há uma dinâmica semelhante na Ásia, onde o segmento de camarão empanado era anteriormente dominado pela China e pela Tailândia, antes de ser usurpado pelo Vietnã e pela Indonésia

"Mas agora a Índia está sendo ameaçada em seu mercado de commodities e, portanto, está migrando para o segmento de valor agregado - é um cenário competitivo em transformação, como veremos nos dados que apresentamos", conclui ele.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: Global Shrimp Forum 2023

Insights de um dos maiores produtores de camarão da Venezuela

Embora a Venezuela tenha a infeliz distinção de ser um dos países mais difíceis do mundo para se fazer negócios, o Grupo Lamar está a caminho de atingir 100.000 toneladas de produção de camarão no próximo ano, oferecendo um raio de esperança econômica para a n…