Aquicultura para todos

'23 in reviewLissy Smit

Camarão Ingredientes de ração Sustentabilidade +11 mais

Após pouco mais de um ano como CEO da Aqua-Spark, Lissy Smit reflete sobre os altos e baixos das empresas do portfólio do fundo e as tendências mais amplas que afetam o investimento em inovação na aquicultura.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
Lissy Smit, CEO da Aqua-Spark

Sem surpresa, um dos destaques do Aqua-Spark desde que Smit ingressou em setembro de 2022 - na verdade, uma das maiores histórias que surgiram até agora sobre startups de aquicultura - foi a rodada de captação de recursos da Série D de US$ 200 milhões da eFishery. A startup desenvolveu uma plataforma que dá aos pequenos agricultores acesso a ração e financiamento, e a rodada aumentou a avaliação da empresa para surpreendentes US$ 1,4 bilhão.

"Isso realmente mostra que é possível criar uma empresa bem-sucedida com a plataforma de tecnologia certa, e eles são a primeira startup de aquicultura a ultrapassar a avaliação de US$ 1 bilhão. Isso é bom para eles e também para o setor, pois mostra que é possível ter uma história de impacto que também gera resultados de investimento. Essa combinação é realmente excelente. Em minha função anterior no Rabobank, financiei muitas empresas e sei como é difícil para os pequenos proprietários obterem acesso a financiamento, especialmente para práticas inovadoras e mais sustentáveis", reflete Smit.

O sucesso de alto nível do eFishery também ajudou a iniciar discussões com uma gama muito maior de investidores e startups.

"Isso despertou um grupo totalmente diferente de investidores, especialmente aqueles que gostam de investir em empresas que já são lucrativas e que também têm impacto - é um segmento mais fácil de levantar dinheiro", observa Smit.

"Isso também ajuda no lado da oportunidade, pois outras empresas veem o valor de fazer parte do nosso ecossistema, já que conseguimos ajudar a eFishery a crescer", acrescenta ela.

O sucesso - tanto em termos financeiros quanto de impacto - da eFishery ajudou a convencer Smit do valor de tais plataformas, e este ano a Aqua-Spark investiu em duas outras empresas que poderiam emular o sucesso da eFishery.

Um criador de camarões com um alimentador eFishery

a eFishery tornou-se a primeira startup de aquicultura a ultrapassar a avaliação de US$ 1 bilhão após a rodada de captação de recursos da Série D de US$ 200 milhões

A primeira foi a Tepbac, uma empresa de mídia vietnamita que se diversificou no fornecimento de hardware e de uma plataforma de dados para ajudar os criadores de camarão do país a melhorar sua produtividade e sustentabilidade. Mais recentemente, eles investiram na Aquarech - uma empresa queniana que está desenvolvendo uma plataforma digital, que inclui uma ferramenta de gerenciamento de fazendas para ajudar os fazendeiros a monitorar as condições em seus tanques e gaiolas, bem como um mercado que os conecta a comerciantes de peixes e fornecedores de ração.

"Há muitos análogos a como a eFishery começou, e eles também fornecem aos agricultores acesso a ração e a um mercado - realmente vemos como esse modelo, especialmente para startups e empreendedores que estão bem conectados às comunidades locais, pode funcionar", explica Smit.

"Gibran [fundador e CEO da eFishery] costumava ter seus próprios viveiros de peixes, a Tepbac estabeleceu conexões com fazendeiros locais e a Aquarech está profundamente ligada à comunidade local. Se você observar a adoção de tecnologia, o verdadeiro desafio é garantir que as pessoas comecem a usá-la. E não precisa ser uma tecnologia muito complexa, uma tecnologia bastante simples pode fazer uma enorme diferença em termos de uso de ração, por exemplo. Para nós, o sucesso está em encontrar empresas que possam realmente se conectar com as comunidades locais e, por meio do uso de dados e tecnologia, encontrar uma maneira de aproveitá-los e criar uma cooperativa comunitária e usar o poder de compra para adquirir ração e obter acesso a financiamento. É um modelo que realmente ajuda os pequenos agricultores a se conectarem a uma plataforma maior", acrescenta ela.

Co-fundadores da Aquarech, James Odede (esquerda) e Dave Okech (direita)

Após o sucesso da eFishery e sua conexão com a comunidade, a Aqua-Spark investiu recentemente na Aquarech, uma startup queniana de tecnologia aquática profundamente conectada à comunidade local

Smit tem esperança de que o investimento em empresas africanas, como a Aquarech, possa realmente ajudar o continente.

"A população da África ainda está crescendo rapidamente e há muita necessidade de proteína boa e saudável, e achamos que a aquicultura pode dar uma grande contribuição nesse continente. Já investimos em três fazendas na África - Lake Harvest, Chicoa e IOT [Indian Ocean Trepang] - mas a Aquarech é nosso primeiro investimento em uma empresa africana de aquicultura", reflete Smit

"Estamos no processo de lançamento do nosso fundo para a África, que nos dará mais poder de fogo para trabalhar no continente africano e estamos trabalhando em estreita colaboração com parceiros como Rockefeller, Gatsby e o Banco Mundial para construir infraestrutura e também financiar pequenos agricultores e pequenos empreendedores", acrescenta.

Massa crítica para rações alternativas?

Smit também se animou com o crescimento da produção - e da demanda - de ingredientes alternativos para rações aquáticas nos últimos 12 meses. Esse é um campo que a Aqua-Spark defende há muito tempo e no qual fez vários investimentos na última década.

Como ela observa, um destaque recente do ano foi a parceria entre a maior fabricante de alimentos dos Estados Unidos, a Tyson, e a Protix - uma produtora holandesa de proteína de inseto na qual a Aqua-Spark é a maior investidora.

Além de sugerir o impulso da corrente principal por trás das proteínas alternativas, esse também é um negócio que está próximo do coração de Smit - ela trabalhou anteriormente para o Rabobank, que também investiu na Protix, que foi como ela conheceu a Aqua-Spark

"Foi então que descobri que a aquicultura é um campo pouco investido e que há muitas oportunidades para fazer a diferença, o que me atraiu [para o cargo de CEO]", explica Smit.

Em termos de ingredientes de ração alternativos, este ano a Aqua-Spark também investiu na Enifer - uma startup finlandesa que produz proteína unicelular chamada Pekilo a partir de resíduos do setor de polpa de madeira.

"Uma pesquisa publicada recentemente pela Norwegian University of Life Sciences mostra que ela [Pekilo] é realmente boa para o sistema imunológico do salmão e que o salmão realmente gosta do sabor. A Enifer está em um estágio muito mais inicial do que a Protix, mas vemos muitas oportunidades à medida que eles passam da prova de conceito para a construção de uma instalação de produção em larga escala. Essa é uma área em que há uma enorme necessidade de capital, e é aí que gostamos de entrar e atuar", reflete Smit.

A Calysta - empresa na qual a Aqua-Spark investiu este ano - obteve a aprovação da FDA para sua ração aquática de proteína alternativa, a FeedKind

© Calysta

O ano também foi marcado por um marco importante para o primeiro investimento do fundo em proteína de ração alternativa, com a Calysta garantindo a aprovação da FDA para a proteína FeedKind, com a produção em larga escala de sua fábrica de 20.000 toneladas na China em andamento.

"Há uma enorme demanda e eles já garantiram seus primeiros contratos. O aumento do custo das rações [convencionais] provou que o FeedKind pode ser competitivo como alternativa [à farinha de peixe]", observa Smit.

Um outro investimento feito pela Aqua-Spark nos últimos 12 meses foi na startup israelense Wanda Fish Technologies, que está trabalhando no cultivo de atum-rabilho a partir de células.

"É uma espécie que sabemos que é um desafio cultivar de forma sustentável, portanto, é uma alternativa interessante", explica Smit.

Fazenda de carvão ártico da Matorka no sudoeste da Islândia

A fazenda terrestre administrada pela Matorka - um dos primeiros investimentos da Aqua-Spark - foi danificada após vários grandes terremotos em novembro © Matorka

Áreas de preocupação

Apesar de muitos aspectos positivos, não tem sido fácil para todas as empresas do portfólio do fundo - mais recentemente, a Matorka, produtora de carvão do Ártico com base em terra, que foi um dos primeiros investimentos da Aqua-Spark, sofreu danos em sua unidade de processamento e em um tanque na fazenda após uma atividade sísmica substancial no oeste da Islândia. No entanto, apesar das condições de teste, a equipe informou que as operações agora estão estáveis.

"É um evento muito infeliz e inesperado", admite Smit, "mas, de uma perspectiva mais geral, as empresas do nosso portfólio foram afetadas negativamente por duas coisas: a primeira é o ambiente de captação de recursos, que não foi fácil no ano passado. Além disso, todo o setor de aquicultura está sendo pouco investido por investidores externos. Essa combinação torna as coisas difíceis e, se realmente quisermos mudar o sistema alimentar e investir em soluções sustentáveis, será necessário mais financiamento em um sentido amplo."

Smit, no entanto, está otimista de que isso está prestes a mudar.

"A notícia positiva é que há muito mais conscientização dos consumidores sobre a necessidade de proteger a saúde dos oceanos, as soluções para isso e a necessidade de rastreabilidade. No último ano, houve muitas publicações na mídia que ajudaram tanto os consumidores quanto os investidores a perceber a necessidade de garantir a criação de alternativas sustentáveis. Mas, ao mesmo tempo, é necessário mais capital no setor como um todo", observa ela.

"Embora a eFishery possa parecer uma enorme história de sucesso da noite para o dia, tendo financiado a empresa desde o início, nem sempre foi um caso de investimento simples - foi necessário muito trabalho árduo para apoiá-los a se tornarem a empresa que são hoje", acrescenta ela.

O Aqua-Spark foi obviamente afetado pela recente série de eventos macroeconômicos globais negativos e Smit acredita que o espaço de financiamento de capital de risco tem sido particularmente desafiador.

"Empresas muito pequenas estão atraindo financiamento inicial e, quando as empresas se tornam lucrativas, isso libera todos os tipos de capital, mas na fase intermediária, na qual gostamos de atuar, é muito mais difícil convencer as pessoas sobre a necessidade e as oportunidades existentes. Analisamos os aumentos de capital de risco nos últimos 18 meses e, em geral, o ambiente não tem sido muito bom", observa Smit.

Olhando para o futuro

Dado o lançamento do fundo da Aqua-Spark na África em 2024, Smit planeja se concentrar fortemente no continente nos próximos meses.

Ela também analisará quais dos 11 resultados de impacto do Aqua-Spark precisam ser abordados com mais urgência e estabelecerá a melhor forma de alcançá-los.

"As rações e a garantia de que não sejam necessários ingredientes de captura selvagem nas rações aquáticas continuarão sendo uma parte importante de nosso foco, pois estão muito relacionadas à saúde dos oceanos. Também estaremos analisando mais a saúde dos animais - é uma área muito importante, pois se você fizer isso corretamente, economizará muito dinheiro para os agricultores e aumentará a produtividade em toda a cadeia de valor. Outra área que analisaremos é a genética - não é uma área fácil, mas pode fazer uma enorme diferença na produção e garantir uma cadeia de valor sustentável. E o lado da aquatech continua sendo vital, especialmente como um meio de apoiar os pequenos proprietários, desbloquear mais valor e ter mais impacto", conclui Smit.

*A Hatch faz parte do portfólio de investimentos da Aqua-Spark, mas o The Fish Site mantém a independência editorial.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: '23 in review

Jennifer Bushman

Jennifer Bushman percebe tendências encorajadoras no investimento e na inovação, bem como na aceitação da aquicultura, mas acrescenta que os desafios incluem a necessidade urgente de que o setor de criação de salmão trabalhe em conjunto para lidar com as quest…

Carsten Krome

Embora 2023 possa ter resultado em várias conquistas impressionantes para a Hatch, seu cofundador não se impressionou com o ritmo em que o setor de aquicultura vem adotando a inovação e acredita que serão necessários até cinco anos para que muitos dos desenvol…

Rizky Darmawan

O mercado asiático de camarão teve seu quinhão de notícias negativas ao longo de 2023, mas Rizky Darmawan, CEO do Delta Marine Group, em East Java, oferece um vislumbre de esperança ao refletir sobre o ano.

Steven Hermans

O investimento na produção de algas marinhas - e não no processamento - precisa ser priorizado com urgência, de acordo com o principal analista do setor e fundador da Phyconomy, Steven Hermans.