Aquicultura para todos

The Lutz ReportPor que o pacu pode se tornar um grande concorrente da aquicultura de água doce

Criação Criação e genética Consumidores +6 mais

O pacu - que também é chamado de tambaqui, pirapitinga, cachama, morocoto ou gamitana - está entre os peixes com maior potencial para desafiar o domínio das carpas e tilápias na aquicultura tropical de água doce, especialmente se os geneticistas conseguirem eliminar seus ossos intramusculares.

por Aquaculture extension specialist, Louisiana State University Agricultural Center
Prof C Greg Lutz thumbnail
O pacu-de-barriga-vermelha está entre os mais populares entre os pacus de criação

Pirapitinga é o nome mais usado para essa espécie na América do Sul

Vários tipos distintos de peixes são chamados de "pacu" em várias partes do mundo, mas cada vez mais o termo é usado para se referir a um grupo de espécies sul-americanas intimamente relacionadas com áreas naturais e nichos ecológicos sobrepostos. Esses peixes estão atualmente classificados na família Serrasalmidae, embora a taxonomia e a sistemática do grupo estejam longe de serem finalizadas. Como peixes characiformes, eles estão relacionados a muitas espécies vistas em aquários em todo o mundo e também às piranhas. Algumas fontes sugerem que o nome pacu significava originalmente "comedor rápido" nas línguas tupi-guarani da América do Sul, de acordo com o apetite flexível e as taxas de crescimento rápido desses animais.

Principais espécies

Colossoma macropomum é provavelmente o mais amplamente cultivado do grupo. É conhecido por vários nomes em toda a sua área natural, incluindo tambaqui, gamitana, cachama e pacu negro. É o maior peixe characiforme encontrado em sua área natural, que inclui os rios Amazonas e Orinoco e suas bacias hidrográficas circundantes, e ocasionalmente chega a 40 kg. Desde os tempos pré-coloniais, o C. macropomum tem sido um recurso importante, devido à qualidade e ao sabor de sua carne. No restante deste artigo, vamos nos referir a essa espécie como tambaqui.

Na natureza, a dieta do C. macropomum é composta principalmente de frutas, nozes e sementes, complementada por invertebrados (crustáceos, insetos e caracóis), pequenos peixes e zooplâncton. Infelizmente, o componente zooplanctônico da dieta é um vetor frequente de doenças causadas por um parasita acantocéfalo que pode causar atrofia significativa. Esses peixes preferem habitats lênticos em planícies de inundação florestadas. Eles migram rio acima em grandes grupos durante a estação de desova, antes de retornar rio abaixo para descansar, se recuperar e continuar seu estilo de vida tranquilo.

Piaractus brachypomus também é amplamente cultivado, mas não necessariamente onde ocorre naturalmente. Pirapitinga é o nome mais usado para essa espécie na América do Sul. Quando adultos, esses peixes têm aparência bastante semelhante à do tambaqui, mas os juvenis apresentam uma coloração vermelha brilhante no peito e na área ventral, o que deu à espécie o nome comum de "red-bellied pacu" entre os aquacultores e entusiastas de aquários de língua inglesa. Sua área de distribuição natural e seus habitats se sobrepõem amplamente aos do tambaqui, e os híbridos são ocasionalmente encontrados na natureza. Esses híbridos também são frequentemente criados em instalações de aquicultura (veja abaixo). A pirapitinga é principalmente vegetariana, mas, como seus primos tambaquis, também come invertebrados e peixes pequenos quando sua dieta preferida é limitada.

Piaractus mesopotamicus, conhecido como pacu de escamas pequenas, ou simplesmente "pacu", é nativo da bacia hidrográfica Paraguai-Paraná, mas foi amplamente introduzido em outras áreas da América do Sul. Eles podem atingir pesos de até 20 kg e são reconhecidos por suas escamas pequenas e coloração acinzentada, compensada por um peito amarelado e barriga branca. Esses peixes também são basicamente vegetarianos, mas consomem insetos quando estão disponíveis. Eles são um pouco mais tolerantes a temperaturas mais baixas do que o tambaqui e a pirapitinga.

Os pacus são populares em aquários e na aquicultura

Eles são os maiores peixes characiformes dos rios Amazonas e Orinoco

História da cultura do pacu

O interesse em cultivar o pacu remonta à década de 1930, mas os esforços sérios para desenvolver métodos de produção comercial só começaram nas décadas de 1960 e 1970. Como no caso de outras espécies bem-sucedidas da aquicultura de água quente, como a tilápia e o tra, o tambaqui e seus parentes são capazes de utilizar vários ingredientes comuns encontrados em rações industrializadas. Sua aceitação de proteínas de origem vegetal reforça suas credenciais de sustentabilidade, ao mesmo tempo em que mantém os custos de alimentação baixos. Eles são adaptáveis a várias práticas de produção e níveis de intensidade de manejo. Seu rápido crescimento e a tolerância ao baixo nível de oxigênio e à qualidade da água abaixo do ideal fizeram com que conquistassem um lugar nas indústrias de aquicultura comercial em vários países

Esses peixes também se prestam à desova induzida e são altamente fecundos. Na década de 1980, técnicas confiáveis de desova e incubação começaram a permitir a ampla disponibilidade comercial de alevinos. Infelizmente, esses altos níveis de fecundidade resultam em larvas muito pequenas, que exigem alimentação viva por vários dias após a eclosão. Mas, com exceção dessa exigência, os métodos de incubação são simples e geralmente resultam em alta sobrevivência.

Nas últimas três décadas, a produção de tambaqui e seus parentes aumentou em vários países das Américas e da Ásia. Embora alguns produtores da América do Sul tenham posteriormente mudado seu foco para a tilápia, o tambaqui agora está sendo cultivado do Brasil a Honduras. Em 2009, pesquisadores na Índia publicaram métodos para a desova induzida de pirapitinga (o pacu de barriga vermelha) e, na década seguinte, os níveis de produção e os preços de venda aumentaram significativamente no país e em toda a região circundante.

Alevinos de tambaqui

Situação atual e tendências

Os pacus são adaptáveis a várias abordagens de produção, desde o cultivo extensivo em lagos de baixa densidade até sistemas intensivos de alta densidade. Os tanques semi-intensivos podem produzir rotineiramente rendimentos anuais de até 10 toneladas por hectare de tambaqui. Embora essa espécie também possa ser cultivada em gaiolas, seu desempenho não é tão bom em sistemas de alto fluxo, como os raceways em lagos. Provavelmente, esse também é o caso da pirapitinga e do pacu de pequeno porte, já que as três espécies são encontradas naturalmente em águas calmas e lentas de planícies de inundação.

No Brasil, o tambaqui teve um bom desempenho em tanques de policultura com Macrobrachium, carpa comum, carpa capim, bagre (Prochilodus) e tilápia. Os produtores indianos também relatam bons resultados ao criar o pacu de barriga vermelha em policultura com as principais carpas indianas. Seshagiri et al. (2022) forneceram uma visão geral interessante da cultura moderna do pacu de barriga vermelha na Índia, destacando as semelhanças e diferenças com a produção de tambaqui no Brasil.

As introduções das três espécies de pacu em muitos países e regiões tropicais já estavam ocorrendo em meados da década de 1980. Alguns exemplos notáveis incluem Malásia, Indonésia, Taiwan, México, China e Filipinas. Em muitos casos, esses peixes introduzidos mostraram tendências invasivas e prejudiciais quando liberados em bacias hidrográficas fora de sua área natural. Nas últimas décadas, essas espécies parecem ter se tornado cada vez mais difundidas em países tropicais como Índia, Tailândia, Vietnã e Papua Nova Guiné, com muitos relatos de populações introduzidas que demonstram uma mudança em sua dieta vegetariana natural, consumindo mais espécies animais (peixes, crustáceos e moluscos) e menos frutas e nozes.

Embora tambaqui individuais tenham sido coletados de águas naturais em regiões temperadas como Turquia, Polônia, Hungria, Irã e Croácia, eles não podem passar o inverno nesses habitats sem acesso a algum tipo de refúgio térmico de longo prazo. Da mesma forma, pesquisadores em Israel relataram temperaturas letais mais baixas de 7,0 a 7,5 °C para P. mesopotamicus e P. brachypomus, indicando que procedimentos ou refúgios de hibernação são necessários para a sobrevivência dessas espécies também.

A alta fecundidade, o tamanho comparativamente grande ao atingir a maturidade e a tendência resultante de manter um pequeno número de reprodutores de tambaqui também parecem ter sido, pelo menos em parte, responsáveis por reduções generalizadas na variação genética em estoques cultivados em toda a América do Sul. Muitas dessas perdas não foram compensadas por práticas de reprodução seletiva, embora várias publicações sugiram um grande potencial para o aprimoramento genético dessa espécie. Relatos do setor na Índia sugerem que um fenômeno semelhante pode estar ocorrendo com o pacu de barriga vermelha introduzido no país

Vários híbridos de pacu foram produzidos no Brasil ao longo dos anos com o objetivo de produzir peixes de crescimento mais rápido, mais tolerantes ao frio e, em geral, mais resistentes. Embora os híbridos de ocorrência natural sejam vistos ocasionalmente onde as áreas de distribuição das espécies se sobrepõem, essa prática tem levantado uma preocupação crescente sobre o potencial de introgressão deletéria em populações selvagens resultante de híbridos de criação que escaparam. Normalmente, o tambaqui fêmea é cruzado com o pacu macho de escamas pequenas ou de barriga vermelha, produzindo o "tambacu" e o "tambatinga", respectivamente. Há também um híbrido conhecido como "paqui", que é o resultado do cruzamento de fêmeas de pacu de escamas pequenas com machos de tambaqui.

As necessidades nutricionais desses peixes são amplamente atendidas pelas dietas comerciais disponíveis, mas há espaço para um refinamento substancial das formulações de ração para melhorar o desempenho e reduzir os custos. Diversos patógenos podem causar doenças e mortalidade no tambaqui e em seus parentes, especialmente em condições climáticas que normalmente não ocorrem em seus habitats naturais. Embora os métodos de controle e os tratamentos estejam se tornando cada vez mais familiares para os produtores de vários países, há uma escassez aguda de compostos terapêuticos que sejam realmente licenciados e registrados para uso com os peixes.

A tambaqui farm

Quando se trata de várias espécies e pacus híbridos, os mercados geralmente exigem um tamanho bastante grande na colheita (>1 kg) para facilitar a remoção dos ossos Y intramusculares. A remoção desses ossos durante o processamento é trabalhosa, e qualquer um que não seja removido pode representar um risco de asfixia. Uma consequência dessa ênfase no tamanho maior na colheita foi o estabelecimento de mercados de exportação para as "costelas de pacu" Embora os pesquisadores de outros lugares tenham tentado resolver esse problema do osso Y na carpa aplicando métodos moleculares modernos, isso pode acabar sendo um problema menor para os produtores de Colossoma e Piaractus.

Em 2016, Perazza et al. relataram a identificação de uma população de tambaqui em um incubatório no Brasil em que vários reprodutores não tinham ossos intramusculares. Essa condição parecia ter um componente hereditário, já que o grupo de reprodutores em questão havia atraído a atenção com base no fato de que os alevinos de pelo menos um evento de desova na temporada anterior também não tinham ossos intramusculares. Imagens de raios X e exames de ultrassom indicaram que 28 dos 120 peixes não tinham ossos intramusculares ou tinham apenas ossos intramusculares vestigiais.

Em uma investigação de acompanhamento Nunes et al. (2020) usaram um estudo de associação de todo o genoma para identificar marcadores associados à ausência de ossos intramusculares. Eles identificaram 675 marcadores genéticos com associações significativas para perda óssea total ou parcial, embora a maioria tenha tido apenas uma pequena influência. É interessante notar que a heterozigosidade média dos peixes sem ossos intramusculares foi mais de duas vezes maior do que a dos peixes normais, e as relações de parentesco completo e meio-sangue foram evidentes tanto dentro quanto entre os peixes com perda total, parcial ou sem perda de ossos intramusculares. Essas descobertas são apenas preliminares, e o controle genético sobre essa característica ainda pode ser muito complexo para permitir programas eficientes de reprodução, mas o potencial de estoques de tambaqui sem ossos intramusculares é uma possibilidade intrigante. Outro estudo publicado relatou uma variação significativa no número de ossos intramusculares no tambaqui, com valores que variam de 36 a apenas quatro em uma amostra de 127 jovens de uma única família.

O futuro

Embora os peixes discutidos aqui talvez nunca desafiem a tilápia, a carpa ou o catfishes para dominar a produção global de aquicultura, eles apresentaram várias características atraentes. Sua produção e seu valor estão aumentando em várias partes do mundo e, se o problema dos ossos intramusculares puder ser resolvido, as colheitas poderão aumentar exponencialmente.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: The Lutz Report

Um futuro brilhante para o bacalhau preto?

Devido ao declínio dos estoques selvagens e ao aumento da demanda dos consumidores, o argumento a favor da criação de peixe-espada nunca foi tão forte. No entanto, os desafios, especialmente os relacionados às taxas de crescimento, fizeram com que poucos produ…