Aquicultura para todos
The Fish Site presents: The Vienna Sessions - Conversations about aquaculture. 9 video interviews with aquaculture thought leaders. Watch here.

Como a ração caseira pode reduzir os custos e aumentar a sustentabilidade para os pequenos criadores de peixes da Indonésia

Ingredientes de ração Economia Peixe-gato / Pangasius +6 mais

Os piscicultores indonésios estão revolucionando a aquicultura ao produzir sua própria ração, reduzindo as despesas e promovendo a sustentabilidade.

por Indonesian aquaculture specialist
Asep Bulkini thumbnail
Um fazendeiro produzindo ração caseira

Um dos principais desafios da produção de ração caseira é a falta de conhecimento que os agricultores têm para formular rações de alta qualidade © Yosep Purnama

Com a ração comercial constituindo um componente de custo substancial, os criadores de peixes de água doce, em particular, cujas margens já são pequenas, estão tomando as rédeas da situação para reduzir as despesas. Apesar das preocupações com a qualidade da ração caseira em comparação com as alternativas produzidas em fábricas, esses criadores estão capitalizando sobre matérias-primas alternativas prontamente disponíveis, forjando um caminho para a eficiência de custos e a consciência ambiental.

Nos últimos 15 anos, Syafruddin Darmawan, um agricultor de pangasius de Kampar-Riau, vem produzindo sua própria ração. Em sua vizinhança, uma grande quantidade de matérias-primas alternativas, incluindo farelo de arroz, farinha de peixe, milho, resíduos de tofu e torta de palmiste, fornece os ingredientes necessários para a formulação da ração. Seguindo o Padrão Nacional da Indonésia (SNI) e baseando-se em recomendações de especialistas, a Darmawan utiliza planilhas do Excel para criar rações que afundam e flutuam, adequadas para várias espécies de peixes de água doce.

Unidade equipada para produzir ração caseira

O Ministério de Assuntos Marinhos e Pesca prevê que a produção independente de ração poderá atender a 30% da demanda total na Indonésia © MMAF

Embora a ração caseira possa ter uma qualidade um pouco inferior à das rações comerciais, Darmawan atesta a vantagem significativa do custo, com despesas de produção que variam de IDR 6.000 a 7.000 (€ 0,36-0,42) por quilograma, em contraste com o preço de mercado de IDR 11.000 (€ 0,66) por quilograma. As pequenas compensações, como um período de cultivo ligeiramente prolongado e uma taxa de conversão alimentar marginalmente reduzida, são consideradas aceitáveis pela comunidade agrícola.

A empresa de Darmawan, a Mutiara Feed Kampar, ostenta uma capacidade de produção diária de 1 a 3 toneladas, com metade alocada em sua própria fazenda e o restante fornecido a outros criadores de peixes. Notavelmente, sua produção de ração segue os requisitos legais e é registrada no Ministério de Assuntos Marinhos e Pesca (MMAF), garantindo a conformidade regulatória e a adesão aos padrões de qualidade.

Darmawan é um produtor de ração que tem um grande potencial de crescimento

Yosep Purnama, um criador de peixes de Garut, Java Ocidental, está igualmente comprometido com a produção independente de ração. Por meio da Leles Lestari Foundation, Purnama implementou um ecossistema integrado upstream-downstream para otimizar a sustentabilidade da produção de peixes e rações. Em colaboração com parceiros locais, ele aproveita uma gama diversificada de subprodutos de vários setores, incluindo farinha de peixe, farelo de arroz, resíduos de tofu, raspas de coco, cascas de abacaxi e polpa de café, que são posteriormente processados em farinha. Purnama também aproveita a farinha de larva fermentada derivada de sua criação de mosca-soldado negra, reduzindo assim a dependência da farinha de peixe como fonte de proteína. Ao utilizar matérias-primas e subprodutos locais, esses agricultores não apenas defendem os princípios de sustentabilidade, mas também minimizam as pegadas de carbono e contribuem ativamente para uma economia circular.

Apoio oficial

O movimento de fabricação própria de ração surgiu inicialmente entre os criadores de bagres no sul de Sumatra, Jambi, Riau e Kalimantan do Sul. Reconhecendo seu potencial, o MMAF, por meio de sua Diretoria Geral de Aquicultura (DJPB), lançou o programa do movimento de ração independente (Gerakan pakan mandiri/Gerpari). Essa iniciativa tem como objetivo capacitar os criadores de peixes, reduzir os custos em 30%, promover a utilização de ingredientes locais e estabelecer uma rede nacional de criadores autossuficientes.

Yosep Purnama criou a Fundação Leles Lestari

Apesar de a ração caseira ser de qualidade ligeiramente inferior à da ração comercial, os piscicultores se beneficiam da vantagem de custo de usar rações caseiras, com preços que variam de IDR6.000 a 7.000 (€ 0,36-0,42) por quilograma, em comparação com o preço de mercado de IDR11.000 (€ 0,66) por quilograma © MMAF

Embora os números precisos de produção não estejam disponíveis, estima-se que a produção independente de ração pelos fazendeiros, incluindo aqueles apoiados pelo MMAF, atualmente seja de aproximadamente 250.000 toneladas por ano, atendendo a cerca de 10% da demanda nacional de ração para peixes. O MMAF prevê que a produção independente de ração possa vir a atender 30% da demanda total. Para atingir esse objetivo, o programa inclui assistência governamental, desenvolvimento de matérias-primas locais e formulação de rações econômicas.

Komarudin enfatiza que o programa de ração independente foi desenvolvido usando várias estratégias, incluindo assistência governamental, o estabelecimento de fontes locais de matérias-primas, a criação de formulações de ração de baixo custo, suporte técnico e treinamento, bem como serviços de certificação para aderir às boas práticas de fabricação de ração (CPPIB) e registro de produtos de ração. Uma forma de ajuda governamental que ganhou popularidade é o pacote de máquinas de fabricação de ração em miniatura, que inclui unidades para moer matérias-primas e formar pellets de ração

Além disso, os esforços contínuos estão concentrados na simplificação dos requisitos de circulação de ração e, ao mesmo tempo, na manutenção dos padrões de qualidade baseados nos Padrões Nacionais da Indonésia (SNI). Espera-se que os futuros requisitos de distribuição de ração priorizem os princípios de segurança alimentar, sustentabilidade ambiental e bem-estar animal.

O piscicultor e produtor de ração caseira Yosep Purnama conversa com agricultores que compram regularmente ração dele

Purnama usa uma gama diversificada de subprodutos de vários setores em sua ração caseira, incluindo farinha de peixe, farelo de arroz, resíduos de tofu, lascas de coco, cascas de abacaxi e polpa de café © Yosep Purnama

Os desafios da ração caseira

Apesar dos benefícios potenciais da produção de ração caseira na redução de custos para os agricultores, há vários desafios a serem superados. O primeiro desafio está na qualidade dos recursos humanos, pois nem todos os agricultores possuem conhecimento suficiente para formular rações de alta qualidade.

Darmawan explica que os agricultores envolvidos na produção de ração própria precisam aprimorar seu conhecimento sobre os ingredientes, a formulação ideal da ração e as tecnologias de processamento usadas para as matérias-primas. Eles também precisam compreender a importância dos microelementos essenciais exigidos pelos peixes, como vitaminas e minerais, e aprender a otimizar seu uso. Além disso, é necessário revitalizar a infraestrutura e as instalações para a produção de ração artesanal a fim de apoiar ainda mais o seu desenvolvimento.

O segundo desafio está relacionado à produção de ração artesanal

O segundo desafio está relacionado à qualidade e à quantidade instáveis das matérias-primas, o que é ainda mais exacerbado pelas condições macroeconômicas que levam à flutuação dos preços. A industrialização das matérias-primas é necessária para garantir qualidade e quantidade consistentes. Darmawan enfatiza que a engenharia tecnológica no processamento de matérias-primas locais é necessária para melhorar sua qualidade.

Do ponto de vista do governo, Ujang Komarudin enfatiza a importância do fortalecimento institucional para garantir que a ração siga as boas práticas de fabricação. Com esse objetivo, o Ministério de Assuntos Marítimos e Pesca (MMAF) desenvolveu as Boas Práticas de Fabricação de Ração (CPPIB) e solicitou aos agricultores que registrassem sua ração caso pretendessem comercializá-la.

Komarudin espera que o programa de fabricação própria de ração tenha um impacto positivo no aumento da produção e na melhoria da lucratividade dos agricultores. Além disso, o estabelecimento de sinergia entre as partes interessadas envolvidas na produção de ração artesanal é crucial para a troca de informações, conhecimento e experiência, levando, em última análise, à produção de ração artesanal mais eficiente, competitiva, difundida e de fácil acesso.

As rações artesanais são um dos principais produtos da indústria de alimentos para animais

Conclusão

Em conclusão, a adoção de ração de fabricação própria pelos piscicultores da Indonésia oferece uma solução viável para reduzir os custos de produção e aumentar as margens de lucro. A utilização de matérias-primas alternativas e a engenhosidade dos produtores na formulação de suas próprias rações contribuíram significativamente para esse movimento. Embora ainda existam desafios, como a necessidade de melhorar a compreensão dos agricultores sobre a formulação de rações e as tecnologias de processamento de matérias-primas, estão sendo feitos esforços para resolver esses problemas por meio do fortalecimento institucional e do desenvolvimento de boas práticas de fabricação de rações.