Aquicultura para todos

Meet the foundersPor que a verdadeira rastreabilidade pode ajudar a restaurar a reputação dos frutos do mar

Tecnologia e equipamentos traceability Regulamentações +9 mais

Estamos todos muito familiarizados com os escândalos que mancharam o setor de frutos do mar. No entanto, os sistemas de rastreabilidade podem abordar rapidamente questões como fraude em frutos do mar e trabalho forçado, além de soluções que podem ajudar a erradicar essas práticas. Mark Kaplan, cofundador da Wholechain, apoia essa ideia.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
Barcos
Barcos de pesca de caranguejo azul nas Filipinas

A Wholechain está trabalhando em um projeto de rastreabilidade para essa pescaria © Wholechain

Wholechain é um sistema de rastreabilidade baseado em blockchain que foi inspirado na experiência dos fundadores com a pesca em pequena escala na Indonésia. Kaplan vê a crescente ênfase na rastreabilidade de frutos do mar como tendo uma enorme variedade de benefícios - desde a redução da pegada ambiental do setor até a melhoria das condições de trabalho e a elevação da segurança alimentar a um novo patamar.

De acordo com Kaplan, é esse último aspecto que tem sido priorizado pelas autoridades ocidentais, como a Food and Drug Administration dos Estados Unidos, cujas atualizações da regra 204 da Food Safety Modernization Act exigirão a rastreabilidade total de todos os frutos do mar até o barco ou a fazenda. A Wholechain tem se concentrado em simplificar a conformidade com a regra por meio de seu alinhamento com os padrões de dados GS1 US e Global Dialogue on Seafood Traceability (GDST), e Kaplan enfatiza que a garantia da segurança dos alimentos terá uma série de benefícios indiretos.

"Se você liderar com a segurança de alimentos, uma vez implantada, poderá ter um melhor monitoramento do desperdício de alimentos. Por exemplo, capturamos o rendimento e as datas de validade e, quando o produto está chegando ao fim, os serviços de recuperação de alimentos podem redirecioná-lo para comunidades com insegurança alimentar. Já fizemos isso quatro vezes em parceria com a Copia, o que também ajuda a medir a economia de água e de carbono do envio de alimentos para o lixo", explica ele.

O sistema da Wholechain também ajudou a flagrar pelo menos uma empresa que estava envolvida em fraude de frutos do mar. Apesar de ter certificações confiáveis, a empresa em questão estava falsificando sua documentação - algo que uma simples auditoria de cadeia de custódia não teria detectado.

"Percebemos uma anomalia nos números dos lotes. As pessoas podem cometer erros, mas depois de um pouco de investigação, vimos que as bandeiras das embarcações relatadas estavam mudando de mês para mês e sabíamos que havia algo problemático. Com certeza, eles estavam trazendo produtos de um país diferente, via China", explica Kaplan.

"Não culpamos os certificadores, culpamos o fornecedor, que era realmente criminoso", enfatiza Kaplan.

Um compromisso com o impacto

Kaplan começou sua carreira profissional na esfera do marketing móvel, trabalhando em projetos para multinacionais em 38 países.

Seu primeiro contato próximo com a cadeia de suprimentos de frutos do mar ocorreu depois que ele se mudou para a Indonésia para trabalhar em um projeto para o Departamento de Estado dos EUA. Depois de conhecer - e ficar um pouco desanimado com - as atividades de alguns projetos de desenvolvimento, Kaplan passou três anos trabalhando em um projeto que treinava pescadores de pequena escala para usar a tecnologia móvel como um meio de melhorar seus meios de subsistência.

"Para causar o impacto que eu sentia, eu tinha que realmente trabalhar com as pessoas que estavam entrando nos barcos e saindo para a água", lembra ele.

E foi colocando os pés na água que ele ajudou a ilustrar os problemas enfrentados pelo setor de frutos do mar - e a oportunidade de corrigi-los.

"Trabalhar no lado da oferta, em vez do lado da demanda, da cadeia de valor me permitiu ver essa enorme desconexão entre o mercado e a fonte real de matéria-prima, que foi quando reconheci a oportunidade que existia", lembra ele.

Kaplan criou devidamente um mensageiro chamado mFish que - ao contrário das expectativas de muitos - provou que os pescadores estavam dispostos a compartilhar informações sobre onde estavam pescando e onde estavam pegando mais peixes. O sistema baseava-se em dar aos usuários acesso a mapas das últimas florações de plâncton, para que tivessem uma ideia melhor de onde os cardumes de peixes provavelmente estariam

"Criamos um mapa de fitoplâncton que ajudou a reduzir em 80% o tempo de captura dos usuários. Em vez de caçar cegamente no oceano, visualizamos imagens de satélite do fitoplâncton no Google Maps", explica Kaplan

Isso permitiu que eles ajustassem com precisão onde pescar, economizando combustível e reduzindo o tempo de permanência no mar. Foi também nesse projeto que Kaplan conheceu o cofundador da Wholechain, Jayson Berryhill, que estava trabalhando para a operadora de rede móvel XL Axiata, que fez uma parceria com a mFish.

Criando uma empresa de frutos do mar

Depois de três anos trabalhando com a Unilever, como vice-presidente de soluções sustentáveis, Kaplan e Berryhill se uniram para criar uma empresa de frutos do mar, a Envisible, juntamente com outra dedicada a garantir a rastreabilidade em toda a cadeia de suprimentos de frutos do mar, a Wholechain.

A primeira fornecia e gerenciava frutos do mar para mercearias de varejo de marca própria, enquanto a segunda ajudava a garantir a rastreabilidade ao longo da cadeia de suprimentos de frutos do mar.

"A rastreabilidade era a missão, mas sentimos que, sem trabalhar na própria cadeia de suprimentos, não teríamos os insights necessários para desenvolver o melhor sistema de rastreabilidade, seríamos apenas técnicos de fora, adivinhando o que está acontecendo. A Envisible também ajudou a fornecer capital para a Wholechain e nos tornou menos dependentes dos investidores enquanto estávamos construindo, ao mesmo tempo em que nos deu os insights para desenvolver um produto que é absolutamente adequado para as empresas de frutos do mar", lembra ele.

Ele também forneceu a eles insights vitais sobre o nível de custo que as empresas de frutos do mar poderiam realmente absorver para adotar um sistema robusto de rastreabilidade.

"Perguntamos a uma das três grandes empresas de tecnologia empresarial se poderíamos usar seu sistema, mas isso teria nos custado mais do que o estoque de salmão de todo o ano", reflete Kaplan.

Dois homens carregando uma grande cesta de caranguejos.
Retornando à costa após um dia de pesca bem-sucedido nas Filipinas

© Wholechain

Diversas aplicações

Eles também estavam determinados a desenvolver um sistema que pudesse ser aplicado mais amplamente.

"Também sabíamos que valia a pena construí-lo para ser flexível - os frutos do mar não vivem em um vácuo. A soja é um ingrediente importante na alimentação da aquicultura, portanto, queríamos ter a capacidade, se solicitado, de fazer outras coisas além de frutos do mar", explica ele

É uma estratégia que parece já estar rendendo dividendos.

"Os frutos do mar ainda são nosso foco, mas também rastreamos baunilha, gado, produtos de papel, romãs e folhas verdes", explica ele.

AEnvisible foi vendida no ano passado, quando a Wholechain já havia atravessado "o vale da morte" que resulta no fim de tantas startups e provado que era financeiramente viável - graças, em parte, ao fato de ser tão amplamente aplicável.

"Ela tem uma solução para cada pessoa na cadeia de suprimentos. Queríamos oferecer transparência ao consumidor, pois a demanda do consumidor impulsiona tudo; queríamos oferecer usabilidade adequada para o meio da cadeia de suprimentos, como importadores e processadores; e, com base em nosso histórico, temos um aplicativo móvel gratuito para pequenos produtores. Isso facilita muito a coleta de dados na primeira milha", observa ele.

"Acho que o uso da rastreabilidade para permitir que os pequenos produtores tenham acesso mais equitativo ao mercado é algo de que me orgulho muito", acrescenta.

Além dos usuários, o sistema ganhou reconhecimento mais amplo, vencendo o desafio de rastreabilidade de baixo a nenhum custo da FDA.

Entre os clientes da empresa estão a Topco Associates, a Thai Union, a Global Seafood Alliance, a Orca Bay Seafoods, a McCormick e muitos outros que rastreiam tudo, desde camarão, tilápia, salmão e atum cultivados até baunilha, soja, couro, plásticos reciclados ligados ao oceano e muito mais. Uma atualização futura ajudará ainda mais a Wholechain a simplificar a rastreabilidade para que os clientes cumpram as regulamentações atuais e futuras, como a Regulamentação de Desmatamento da União Europeia (EUDR) e a Regra de Rastreabilidade da Lei de Modernização de Alimentos da FDA.

Kaplan também está lutando para garantir que as pessoas possam diferenciar a rastreabilidade baseada em eventos alinhada com os padrões do setor, como o GS1 e o GDST da Wholechain.

Como ele explica: "Essa rastreabilidade combina eventos críticos de rastreamento com elementos de dados importantes para fornecer visibilidade, respondendo a 'O quê, onde, por que e como', em cada etapa da cadeia de suprimentos de frutos do mar. . Alternativas como soluções proprietárias e ferramentas de mapeamento da cadeia de suprimentos que não aderem a essas estruturas de dados padronizadas levam à fragmentação e a silos funcionais em todo o setor por meio da proliferação de formatos de dados proprietários e protocolos de rastreabilidade. Por exemplo, se um fornecedor usar um sistema de rastreabilidade não baseado em padrões para o Varejista A, ele não poderá replicar facilmente os dados para os Varejistas B e C, apesar de vender o mesmo produto. Isso faz com que os fornecedores paguem por tecnologias redundantes e coletem repetidamente os mesmos dados em formatos diferentes, aumentando os custos, o espaço para erros, a perda e a manipulação de dados e, em última análise, mais barreiras para a adoção da tecnologia de rastreabilidade.

"Nosso maior desafio no momento é a desinformação no mercado - e isso é bom. As definições de rastreabilidade variam. Algumas pessoas acham que ter a cadeia de custódia, como usar o número de rastreamento da Fedex, conta como rastreabilidade. No entanto, a cadeia de custódia apenas informa onde um produto está em um momento específico. A rastreabilidade baseada em eventos informa quem tocou o produto, se e como o produto foi transformado e infinitamente mais detalhes que um proprietário de conta pode querer saber sobre o produto em cada local ao longo da cadeia de suprimentos.

"Sim, ótimo - você sabe que o produto está lá, mas não tem absolutamente nenhuma ideia do que está acontecendo com ele."

Embora alguns produtores possam ver a introdução desse sistema como um fardo ou como algo difícil de justificar financeiramente, Kaplan acredita que a tecnologia da Wholechain, que inclui o uso de códigos QR nas embalagens de frutos do mar, ajudou a aumentar as vendas de frutos do mar rastreáveis.

"Mesmo que apenas algumas pessoas escaneiem os códigos, informar ao consumidor que alguém está fazendo isso gera confiança e credibilidade - a confiança do consumidor está merecidamente baixa: recall, escravos, produtos fraudulentos, tripolifosfato de sódio, atum gaseificado com CO2", reflete Kaplan.

Um balde de caranguejos azuis.
Caranguejos nadadores azuis

© Wholechain

Olhando para o futuro

Outros projetos no pipeline da Wholechain incluem o desenvolvimento de um sistema de pagamentos móveis e incentivos para pequenos produtores; o desenvolvimento de recursos de voz do trabalhador, monitoramento do ambiente por satélite e interoperabilidade de sensores.

"Todos esses recursos estão chegando no curto prazo e ajudarão a fornecer um recurso ESG mais robusto, acima e além das questões orientadas à segurança alimentar", diz Kaplan.

Entretanto, vários planos para alterar as regulamentações relacionadas ao comércio internacional provavelmente trabalharão a favor da Wholechain.

Por exemplo, uma atualização da Lei de Modernização da Segurança Alimentar da FDA dos EUA exigirá a rastreabilidade total de itens alimentícios de alto risco, inclusive frutos do mar. Isso foi lançado em novembro de 2022 e será aplicado a partir de janeiro de 2026.

"O que é subestimado na Lei de Prevenção do Trabalho Forçado Uyghur dos EUA, que é aplicável a qualquer trabalho forçado. Como se trata de uma regra alfandegária e de força de fronteira, a aplicação é substancialmente severa", aponta Kaplan.

Da mesma forma, a Europa está implementando suas próprias mudanças.

"O acordo verde e a regra antilavagem verde da Europa, bem como a regulamentação de produtos livres de desmatamento, também são incrivelmente relevantes para nossos negócios", observa Kaplan.

"É bom quando o impulso da política não apenas apoia seus negócios, mas também é bom para o planeta", acrescenta ele.

Padrões globais de dados

Com esses ventos favoráveis trabalhando a favor da Wholechain, Kaplan está procurando intensificar seus esforços para educar as pessoas sobre os benefícios da rastreabilidade e defender os padrões globais de dados.

"O compartilhamento global de dados é o caminho que estamos seguindo. Os dados da cadeia de suprimentos chegarão a esse ponto - todas as outras tecnologias já chegaram - com os frutos do mar na liderança, antes de se espalharem por outras commodities. Agora precisamos ver como podemos usar a rastreabilidade para ajudar a melhorar o uso de soja livre de desmatamento e torná-la mais disponível em rações para aquicultura", reflete ele

Para isso, a Wholechain pretende dobrar de tamanho em um ano, crescendo de acordo com a demanda.

"Queremos usar uma abordagem inclusiva e incentivar as pessoas a usar padrões de dados. Atualmente, o Wholechain é interoperável com outros sistemas, até mesmo com outros sistemas de rastreabilidade, o que permite uma adoção mais rápida nas redes de fornecedores. Essa troca contínua no espírito de simplificar a rastreabilidade está de acordo com a missão da Wholechain de trazer transparência às cadeias de suprimentos globais", reflete Kaplan. No entanto, apesar de acolher a concorrência no espaço, Kaplan está convencido de que o sistema da Wholechain ainda é difícil de ser superado.

"Desenvolvemos um sortimento de frutos do mar totalmente rastreável que está pronto para o varejo, é escalável e funciona. Conseguimos entregar isso em 2020, durante a pandemia pré-vacina, e ainda não vi nenhum outro sistema que ofereça visibilidade detalhada desde o ponto de captura até o consumo", conclui.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: Meet the founders

A Índia pode diversificar seu setor de algas marinhas?

O setor de algas marinhas da Índia é dominado pela produção de Kappaphycus para os setores de hidrocoloides e bioestimulantes, mas Gabriella D'Cruz, fundadora da The Good Ocean, está determinada a diversificar as espécies cultivadas e as aplicações para elas.

De ostreiro a executivo da Oceanfarmr

Ewan McAsh é o fundador e CEO da Oceanfarmr (originalmente SmartOysters) - uma startup que tem como objetivo simplificar a produção e abrir o acesso ao financiamento para 400.000 produtores de ostras, mexilhões e algas marinhas em todo o mundo.