Aquicultura para todos

Levando a criação de tilápias para o próximo nível na América Latina

Genética Doenças bacterianas Patógenos +26 mais

Depois de liderar a aquisição da Spring Genetics pela Benchmark, Hideyoshi Segovia-Uno está trabalhando arduamente para ajudar a garantir o sucesso do setor internacional de tilápia, especialmente na América Latina (LATAM), diante de uma série de desafios emergentes.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
Hideyoshi Segovia-Uno, CEO da Spring Genetics

Segovia-Uno tem raízes mexicanas e salvadorenhas e começou a trabalhar para um dos maiores produtores de tilápia de El Salvador. Ele ingressou na operação de tilápia do Akvaforsk Genetics Centre (que mais tarde se tornou a Spring Genetics) em 2012, a fim de comercializar os peixes de seu núcleo de reprodução.

O setor de tilápia é muito diversificado, o que é parte da razão pela qual continua a fascinar Segovia-Uno.

"O setor de tilápia ainda é muito segmentado/fragmentado. Tenho uma cliente que tem apenas dois tanques, mas a criação de tilápia mudou sua vida - permitiu que ela educasse seus filhos. Em contrapartida, há também grandes empresas como a Regal Springs. Nosso objetivo é lidar com as grandes empresas, mas também é muito motivador e empolgante poder ajudar pessoas de países em desenvolvimento, como aquele de onde venho", reflete Segovia-Uno.

"Enfrentar os desafios torna-se especialmente complexo considerando que a tilápia é cultivada em mais de 127 países, cada um com contextos socioeconômicos e capacidades tecnológicas distintas. Uma solução universal e de alta tecnologia pode não ser imediatamente viável ou realista para todos os produtores. Em vez disso, há uma demanda urgente por programas abrangentes de treinamento e educação para disseminar as melhores práticas e abordagens inovadoras adaptadas às necessidades específicas de diversas comunidades", acrescenta

Na década em que Segovia-Uno esteve envolvido - durante a qual a Spring Genetics foi comprada e vendida pela Benchmark - ele ajudou a empresa a construir uma sólida base de clientes para seus reprodutores: principalmente na América Latina, mas também no Zimbábue e em Bangladesh.

Segovia-Uno agora dirige a empresa em parceria com Carlos Lopez e Veso e atualmente estão produzindo 6 milhões de tilápias por ano em suas instalações em Miami, onde estão comercializando a 11ª geração de seu programa de criação. Isso se baseia nos fundamentos de 13 gerações anteriores, que remontam à linhagem original de tilápia cultivada geneticamente melhorada (GIFT), desenvolvida em 1988 por parceiros que incluem a Akvaforsk - um reflexo do pedigree da empresa.

Segovia-Uno (à esquerda) e Carlos Lopez (à direita) com parte da equipe do Spring Genetics

Atualmente, a Spring Genetics produz 6 milhões de tilápias por ano em sua unidade em Miami, onde está comercializando a 11ª geração de seu programa de reprodução © Spring Genetics

Resposta às ameaças bacterianas

De acordo com Segovia-Uno, à medida que o setor de tilápia - e os desafios que ele enfrenta - evoluiu, também evoluíram as prioridades dos clientes da Spring Genetics, em termos das características que eles estão buscando.

"O crescimento é sempre uma necessidade - temos uma das genéticas de crescimento mais rápido do mercado. Mas desde 2021, com o surgimento da doença causada por Streptococcus agalactiae 1a na América Latina, estamos selecionando peixes resistentes a ela. A crise está fazendo com que os produtores aumentem sua ênfase em biossegurança, bem-estar animal e boa genética", explica ele.

A nova cepa da bactéria tem sido particularmente alarmante devido à sua capacidade de atacar peixes em qualquer estágio do ciclo de produção.

"Normalmente, a Streptococcus agalactiae só afeta os peixes quando eles têm 200 g ou mais, mas essa nova mutação está matando peixes a partir de 1 g e também está afetando os reprodutores, destruindo as gônadas das fêmeas, levando à produção zero", diz Segovia-Uno.

E a rápida disseminação da doença é outro motivo de preocupação.

"O mercado de tilápia é tão informal e a importação ilegal de peixes reprodutores fez com que a doença se espalhasse rapidamente. No México, a produção cairá para 50 a 60% do que era; os produtores da América Central também estão perdendo muito dinheiro", observa ele

Tilápia criada pela Spring Genetics

Desde o surgimento da Streptococcus agalactiae 1a na América Latina em 2021 - uma cepa de bactéria que mata peixes de 1 g para cima e afeta os reprodutores destruindo as gônadas das fêmeas - a Spring Genetics vem selecionando peixes resistentes a ela. © Spring Genetics

Em resposta a esse novo surto, a Spring Genetics está procurando criar tilápias que foram selecionadas para serem resistentes a uma série de patógenos, incluindo Streptococcus iniae, Streptococcus agalactiae Ib, Streptococcus agalactiae 1a, Franciscella orientalis e tilapia lake virus (TiLV).

De acordo com Segovia-Uno, eles identificaram loci de traços quantitativos (QTLs) para Streptococcus iniae e o vírus do lago da tilápia durante 2023, e isso deve ajudar a acelerar os programas de reprodução que incluem resistência a essas condições.

"Este ano, conseguimos obter um isolado da bactéria e temos feito testes de desafio em colaboração com os serviços de pesquisa aquática do USDA. Acabamos de concluir os testes há três semanas, com resultados muito bons, e agora estamos aguardando os resultados da análise genética", observa Segovia-Uno

Segovia-Uno no laboratório da Spring Genetics

A Spring Genetics está procurando criar tilápias que tenham sido selecionadas para serem resistentes a vários patógenos, incluindo Streptococcus iniae, Streptococcus agalactiae Ib, Streptococcus agalactiae 1a, Franciscella orientalis e tilapia lake virus (TiLV) © Spring Genetics

Sistemas de produção: tendências do setor

A Segovia-Uno tem acompanhado de perto as principais tendências do setor, especialmente nas Américas.

"O que vejo crescer são os IPRS [sistemas de canalização em lagos], que foram desenvolvidos pela Universidade de Auburn aqui nos EUA. Já existem mais de 200 só na Colômbia. Eles não são para todos, pois é preciso muita eletricidade, mas são supereficientes e muito ecológicos - ter um tanque enorme com pequenos canais dentro significa que você só precisa trocar a água a cada cinco anos, mais ou menos", explica ele

"A criação em gaiolas continuará sendo importante para o setor, pois é econômica. Mas, por outro lado, os agricultores têm menos controle e isso está se tornando mais vulnerável com todas as novas doenças. Outro problema que tenho visto em países como o México é que as fazendas situadas acima das represas hidrelétricas podem ser atingidas por quedas rápidas nos níveis de água quando há necessidade de mais eletricidade. Às vezes, a água pode cair 40 m sem nenhum aviso", acrescenta

Segovia-Uno e Lopez realizam alguns trabalhos de construção nas instalações da Spring Genetics em Miami

Entretanto, ele argumenta que os tradicionais tanques de terra também têm seu lugar.

"No Brasil, há duas cooperativas de aquicultura - a CopaCol e a CVale - e, entre elas, provavelmente produzem de 80.000 a 120.000 toneladas de tilápia por ano, grande parte delas proveniente de tanques", observa ele.

Um caminho que Segovia-Uno vem investigando é o desenvolvimento de cepas de tilápia que sejam tolerantes à água salgada, a fim de abrir a possibilidade de cultivar a espécie no mar.

"Sei que algumas empresas de genética na Ásia têm desenvolvido linhagens que toleram níveis de salinidade de até 35 ppt. E, no Oriente Médio, há uma cepa Tilapia spirulus que também tolera alta salinidade", observa ele.

"Até o momento, só testamos nossa tilápia até 14 ppt, mas acho que ela está chegando e é um mercado interessante. Espero que possamos fazer isso no futuro, mas pode ser um desafio legal e ambiental, pois elas podem ser consideradas uma espécie invasora em alguns países", acrescenta

Esperança para o futuro?

Segovia-Uno está muito ciente dos desafios enfrentados pelo setor e observa que o aquecimento global é um dos maiores problemas enfrentados por muitos produtores de tilápia, com agricultores em algumas áreas registrando temperaturas da água de até 40°C - o que leva a taxas de mortalidade mais altas e a maiores desafios de patógenos. Enquanto isso, na América Latina, ele aponta a escassez de alevinos como outro problema importante.

No entanto, ele está confiante de que esses desafios podem ser superados.

"Acho que o setor de tilápia ainda é um pouco imaturo. Acho que precisamos de mais padronização e profissionalização - como no caso do salmão e das aves. Precisamos nos concentrar mais na biossegurança e no bem-estar animal. E também precisamos pensar no que o consumidor precisa. É importante melhorar a reputação da tilápia e procurar mais opções de valor agregado também", argumenta ele.

"Enfrentar os desafios multifacetados da produção de tilápia requer uma abordagem colaborativa e adaptativa, em que as partes interessadas do setor, os pesquisadores e os produtores trabalhem em conjunto para promover práticas sustentáveis, melhorar as medidas de biossegurança, aprimorar os padrões de bem-estar animal e oferecer educação acessível. Esse esforço coletivo é essencial para garantir a resiliência, a eficiência e o avanço ético do setor global de tilápia", conclui

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here