Aquicultura para todos

Caranguejos-rei são promissores para a aquicultura

Estoques de peixes Caranguejos Nutrição +5 mais

Pesquisadores da Noruega acreditam que a criação de caranguejos-rei tem um potencial comercial significativo, após um ano de testes.

Grete Lorentzen com um caranguejo-rei em crescimento

Os caranguejos estão crescendo bem e passaram pela primeira muda crítica © Lars Åke Andersen, Nofima

Durante os últimos 12 meses, os pesquisadores da Nofima afirmam que agora desenvolveram "o alimento certo, o ambiente certo e as condições certas" para o cultivo de caranguejos-rei capturados na natureza - uma espécie invasora não nativa da Noruega.

"O caranguejo se mostrou um bom candidato para a criação e agora se tornou um animal de fazenda, que aprendemos gradualmente a gerenciar. Sabemos muito mais sobre o que é necessário para que os caranguejos se desenvolvam em cativeiro: comer, crescer e ser gentis uns com os outros. E agora estamos no processo de determinar também a alimentação correta", disse Sten Siikavuopio, pesquisador de longa data de caranguejos na Nofima, em um comunicado à imprensa.

"Se formos bem-sucedidos, teremos potencialmente lançado as bases para um setor completamente novo no oeste de Finnmark", acrescentou Grete Lorentzen, que também é uma experiente pesquisadora de caranguejos e chefe do projeto de pesquisa "Helt Konge" (caranguejo é rei).

De invasor indesejável a saboroso petisco

Na década de 1960, o caranguejo-rei vermelho - Paralithodes camtschaticus - foi liberado no fiorde de Murmansk. Desde então, eles se espalharam ao longo da costa de Finnmark até o condado de Troms.

A leste de Honningsvåg, a pesca do caranguejo-vermelho é altamente lucrativa e regulada por cotas. Entretanto, a oeste do Cabo Norte, eles são considerados uma espécie invasora. As autoridades de pesca norueguesas pretendem reduzir a presença dos caranguejos a oeste da área regulamentada por cotas e, portanto, estabeleceram uma zona de pesca livre a oeste de Honningsvåg. Nessa zona, os caranguejos podem ser capturados e levados para terra, independentemente do tamanho.

O problema é que essa não é uma pescaria atraente para os pescadores profissionais - os caranguejos capturados a oeste de Honningsvåg geralmente são pequenos demais para os compradores do mercado internacional, que querem caranguejos-rei noruegueses com pelo menos 1 a 2 quilos.

Vulnerável durante a muda

Há um ano, os pesquisadores começaram a alimentar pequenos caranguejos, pesando cerca de 250 gramas, obtidos na área de pesca livre. Essa é uma parte do estudo de pesquisa, e o objetivo é atingir um peso de 1,6 quilogramas ou mais após três anos de projeto.

"Antes de chegarmos a esse ponto, os caranguejos precisam passar por várias mudanças na carapaça - muda, que é como eles crescem. O estágio de muda é uma fase crítica para o caranguejo, pois é o momento em que ele fica mais vulnerável", explicou Siikavuopio.

Os caranguejos do projeto Nofima precisam passar por três ou quatro dessas mudas críticas para atingir o tamanho comercial. Depois de conseguir uma muda inicial bem-sucedida, os pesquisadores estão otimistas.

"Até agora, os resultados superaram todas as expectativas. A muda indica que o caranguejo cresce bem, e a taxa de mortalidade associada à muda foi inferior a dez por cento, o que é um número excelente", explicou Siikavuopio

A extensão dos aumentos de tamanho e peso por muda é uma indicação de quão bem o caranguejo está se saindo.

O conhecimento sobre armazenamento e alimentação de caranguejos-rei pequenos será muito procurado

Os cientistas da Nofima acreditam que o conhecimento sobre como deve ser feito o armazenamento e a alimentação de caranguejos-rei pequenos será muito procurado na Noruega e no exterior. O desenvolvimento desse conhecimento também está alinhado com o objetivo da Nofima de ser um instituto de pesquisa líder em negócios que realiza pesquisa e desenvolvimento para os setores de aquicultura, pesca e alimentos.

"A força da Nofima está em sua interdisciplinaridade. Temos biólogos que entendem o que é necessário para que os animais prosperem, e nossos colegas na estação de pesquisa em Bergen produzem a ração que usamos, com base em nosso conhecimento do que funciona melhor para os caranguejos. Além disso, temos experiência em qualidade de produto e percepções do consumidor, o que nos permite ter uma abordagem em que consideramos toda a cadeia de valor em nosso trabalho", diz Siikavuopio.

Como em toda criação de animais, os custos de tempo e alimentação são fatores críticos em termos de lucratividade. Ao começar com pequenos caranguejos capturados na natureza, é possível economizar tempo e custos de alimentação.

"E se começarmos com caranguejos um pouco maiores do que os que usamos no estudo, será necessária menos ração antes que o caranguejo atinja um tamanho atraente para o mercado, evitando assim grandes despesas com ração", afirmou Grete Lorentzen.

Alimento adequado para reis a partir de matérias-primas residuais

A grande vantagem do caranguejo-rei é que ele come praticamente qualquer coisa, o que o torna um ótimo candidato para a agricultura. Paralelamente ao projeto "Helt Konge", há o projeto de pesquisa "Kongemat" (Alimento para reis), no qual os cientistas estão investigando como a biomassa residual de outras espécies marinhas - como lumpfish e cascas de camarão - pode ser usada como fonte de alimento para caranguejos cultivados.

"Veja bem, o caranguejo come como uma criança de quatro anos - metade da refeição acaba no chão. Portanto, estamos trabalhando para desenvolver uma ração com uma estrutura que minimize o derramamento", explicou Siikavuopio.

A abordagem tradicional na aquicultura tem sido alimentar os animais diariamente, mas os cientistas da Nofima acreditam que eles podem se beneficiar ao reconsiderar essa abordagem.

"Por exemplo, três vezes por semana em vez de todos os dias. Em teoria, isso faria com que ele ingerisse tudo o que derrama no chão durante a primeira 'porção'", acrescentou o pesquisador.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here