Aquicultura para todos

Do peixe-rei aos insetos: percepções do fundo de impacto oceânico de 200 milhões de euros

Camarão Ingredientes de ração Peixes marinhos +13 mais

O fundo Ocean 14 Capital está se aproximando da marca de 200 milhões de euros, o que o torna "o maior fundo de impacto na economia azul", de acordo com os cofundadores Chris Gorell Barnes e Francisco Saraiva Gomes, e recentemente fechou seis investimentos, três dos quais ainda não são de domínio público.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
Um dos primeiros investimentos em aquicultura da Ocean 14 foi na empresa brasileira produtora de tilápia Tilabras

© Ocean 14

É um momento empolgante para a equipe da Ocean 14 Capital, que está otimista quanto ao seu potencial de causar um impacto positivo no planeta e ganhar dinheiro para seus investidores - ainda mais porque eles conseguiram levantar tanto capital em um momento em que muitos fundos estão com dificuldades.

"Tínhamos como meta 150 milhões de euros quando começamos, mas agora estamos com 160 milhões de euros e o último grande investidor foi a IKEA, por meio da Ingka Investments, que entrou com 30 milhões de euros. Acho que isso é um verdadeiro testemunho do interesse renovado na economia azul: um investidor corporativo tradicional de varejo percebendo a importância da segurança alimentar, das soluções climáticas e dos oceanos", reflete Gorell Barnes

"Estamos agora caminhando para um fechamento final no final deste ano, onde prevemos que atingiremos nosso limite máximo de 200 milhões de euros, com a entrada de alguns outros grandes investidores estratégicos, o que nos dá uma ótima posição como o maior fundo de impacto na economia azul e temos grandes ambições além disso", acrescenta ele.

De acordo com Gorell Barnes, a escassez comparativa de fundos confiáveis no setor também trabalhou a favor da Ocean 14.

"A tendência macro é muito encorajadora em termos do foco contínuo na economia azul por parte do capital institucional, do governo e do setor, mas ainda há uma falta de veículos para investimento e é aí que vemos uma enorme oportunidade, permitindo-nos crescer e nos desenvolver - abrindo um escritório em Lisboa, investindo pesadamente na equipe e contratando alguns novos talentos excelentes", observa ele.

Um dos investimentos recentes da Ocean 14 foi na Ava Ocean

A empresa norueguesa desenvolveu um método exclusivo para a colheita de vieiras sem danificar o fundo do mar © Marius Fiskum

O momento certo para o RAS?

O fundo fez recentemente uma série de investimentos, e Saraiva Gomes argumenta que o investimento de 11 milhões de euros do fundo na Kingfish Zealand é o gasto mais significativo relacionado à aquicultura que ele fez durante o ano.

"Investir em um sistema de aquicultura de recirculação é muito importante para nós: estamos no setor desde o início e fomos expostos a todas as oportunidades de investimento - todos os grandes projetos que se desenvolveram ao longo dos anos e nunca investimos. Aproveitamos a oportunidade com a Kingfish porque achamos que ela representava a combinação certa de redução de riscos e crescimento", reflete ele

"As pessoas podem argumentar sobre a sustentabilidade do peixe-rei - é uma espécie de alto nível trófico e requer muita farinha de peixe, mas nós argumentamos que é porque a espécie é tão intensiva em suas exigências de recursos naturais que faz sentido desenvolver um setor baseado no sistema de produção mais sustentável, que é o RAS", acrescenta ele.

Além de demonstrar um histórico impressionante até o momento, Saraiva Gomes também é atraído pelas perspectivas de longo prazo da Kingfish Zealand.

"A empresa tem um plano de expansão muito ambicioso, que provavelmente implicará a construção de várias unidades em várias regiões geográficas - instalações localizadas mais próximas dos mercados - e nós apoiamos muito essa estratégia. Acho que chegamos a ela no momento certo, exatamente quando a empresa termina a fase dois, antes de embarcar em um plano de crescimento mais intensivo em capital", explica ele

Embora muitos operadores de RAS tenham optado por produzir salmão, que essencialmente precisa ser comercializado como uma commodity, Saraiva Gomes vê o peixe-rei como uma aposta mais segura.

"O RAS tem um preço fixo alto, por isso é importante encontrar mercados cativos, onde o equilíbrio entre oferta e demanda seja tal que haja uma grande estabilidade no preço e seja possível diferenciar o produto com grandes prêmios ambientais e maior estabilidade no mercado. E achamos que o peixe-rei tem esses atributos", explica ele.

Uma série de investimentos em aquicultura

Embora a Kingfish Zealand seja uma empresa de capital aberto, Saraiva Gomes observa que eles são abençoados com um mandato muito flexível e são capazes de investir em empresas em uma ampla gama de níveis de maturidade. De fato, outro investimento recente do fundo foi na Wellfish - uma startup escocesa de diagnósticos de precisão.

"A sustentabilidade da aquicultura exige diagnósticos precisos e rápidos. E a tecnologia que a empresa representa, que é sobre análise de sangue, é muito poderosa e também se presta à IA. Estamos muito felizes com esse investimento e acreditamos que a empresa crescerá rapidamente e que seu método tem o potencial de se tornar uma prática padrão no gerenciamento da saúde na aquicultura", prevê Saraiva Gomes

Ele acrescenta que também investiram em uma empresa - ainda não revelada - envolvida em TI oceânica, que ele espera que seja extremamente relevante em toda a economia azul, inclusive para os operadores de aquicultura offshore.

"A tecnologia de telemetria, que também está sendo desenvolvida para a pesca e o transporte marítimo - como boias que capturam dados e os enviam a satélites - terá aplicações multicanais

"A tecnologia de telemetria, que também está sendo desenvolvida para a pesca e a navegação - como boias que capturam dados e os enviam para satélites - terá aplicações multicanais. Acreditamos que haverá uma explosão de capacidade analítica por causa da IA e isso exigirá muito mais dados. E se há um espaço no mundo com dados muito ruins, é o oceano como recurso e a economia azul que é sustentada por esse oceano. Portanto, estamos muito concentrados em tudo o que se refere à aquisição, medição e interpretação de dados", explica ele.

Saraiva Gomes acrescenta que o fundo também fez recentemente um investimento em um produtor de proteína de inseto, mas ele ainda não pode discutir os detalhes.

"Temos feito muitas diligências em proteínas de insetos ao longo dos anos e estamos felizes por termos co-investido com fortes parceiros industriais e financeiros. Estamos muito orgulhosos e muito felizes com esse investimento e achamos que a empresa será muito bem-sucedida", explica ele

"Acreditamos que há uma forte convergência econômica e ambiental com a melhoria da ração e a substituição da farinha de peixe. A farinha de peixe de primeira qualidade é cara e insustentável. Substituí-la por uma proteína mais acessível é mais econômico e mais sustentável", acrescenta ele.

Retornando às algas marinhas?

Saraiva Gomes observa que o fundo está trabalhando atualmente em "algumas outras transações" nos setores de aquicultura, TI e reciclagem de plástico e espera anunciar esses negócios em breve. Entretanto, apesar de algas marinhas ser uma das cinco principais áreas de foco do fundo, eles ainda não fizeram nenhum negócio com macroalgas.

"Continuamos a nos concentrar nas algas marinhas, mas não na imensa quantidade de startups de algas marinhas. Nosso foco é investir em empresas industriais de algas marinhas, mesmo que sejam pequenas. Entretanto, tivemos dificuldades para encontrar os pontos de entrada certos. Acho que há muito entusiasmo em relação às algas marinhas, mas isso geralmente se traduz em expectativas equivocadas, tanto por parte dos investidores quanto dos operadores. Estamos muito concentrados em encontrar a entrada certa, a plataforma operacional certa, para que possamos construir a partir disso", reflete ele

"Estamos sempre buscando investir na cadeia de valor das algas marinhas, tanto a montante quanto a jusante. Ficaríamos felizes em investir em empresas focadas na automação de fazendas de algas marinhas, na prestação de serviços para fazendas de algas marinhas ou que estamos ajudando a processar e vender melhores algas marinhas", acrescenta

Fazendo as escolhas certas

Gorell Barnes e Saraiva Gomes enfatizam que estão igualmente preocupados com a lucratividade em potencial e com o impacto em potencial de qualquer uma das empresas que apoiam.

"Em todas as empresas em que investimos, estaremos alinhados com a equipe de administração sobre os planos de impacto da empresa - a empresa pode não ser perfeita no momento, mas veremos um caminho para torná-la uma empresa de impacto. Como parte do termo de compromisso, será necessário haver um plano de ação de impacto, para mostrar a direção que tomaremos para entregar os principais KPIs de impacto acordados entre nós e a equipe de administração", explica Gorell Barnes

"Como uma parceria, colocaremos 30% do nosso carry - que é uma quantia significativa de dinheiro - em jogo para garantir que alcancemos esses KPIs de impacto. Portanto, acreditamos que podemos ajudar a impulsionar e apoiar cada empresa em direção ao crescimento lucrativo e a uma ação de maior impacto", acrescenta

Além disso, depois de fazer o investimento, eles enfatizam que são extremamente minuciosos para garantir que os principais indicadores de desempenho (KPIs) relacionados ao impacto sejam medidos com precisão.

"Temos um processo muito sofisticado para lidar com o impacto. Estamos muito concentrados em obter uma abordagem quantitativa, usando dados. É muito mais análogo a um processo de due diligence financeira e de investimento do que a um processo de impacto padrão, que mede no início e depois espera para ver como ele se desenvolve. Estamos tratando o impacto e o capital natural como tratamos o dinheiro - nós o examinamos, realizamos a devida diligência, identificamos quais são nossos caminhos de impacto, quais são os KPIs de impacto e, em seguida, temos todo um plano de medição depois que investimos o dinheiro", enfatiza Saraiva Gomes

O portfólio de investimentos da Ocean 14 inclui a SyAqua, uma empresa de genética de camarão

© Pradipat Wongkasetin

Tendências no setor

Apesar de arrecadar dinheiro para o fundo em um ritmo impressionante, eles têm sido relativamente cautelosos ao investi-lo até agora - em parte devido à sensação de que muitas empresas têm um valor inflacionado que ignora a desaceleração econômica global.

"Até meados deste ano, não estávamos vendo as avaliações se ajustarem ao estresse econômico, o que nos fez parar um pouco e é um dos motivos pelos quais esperamos até a última parte do ano para iniciar as transações. Agora estamos vendo expectativas mais racionais das empresas que refletem o ambiente macroeconômico atual", explica Saraiva Gomes.

"Estamos preocupados com o influxo de capital sem instrução que entrou, o que está aumentando as avaliações das startups e não está fazendo bem a ninguém. As expectativas dessas empresas são irrealistas desde o início e isso dificulta suas vidas - elas podem ficar felizes no momento em que concluem a rodada, mas haverá alguma destruição de capital nos próximos cinco anos, especialmente em algas marinhas, e queremos ter certeza de que não participaremos disso", acrescenta

Os administradores de fundos também estão observando atentamente as tendências específicas do setor de aquicultura.

"Acredito que haverá algum ajuste nas expectativas de RAS e haverá uma explosão de negócios e aplicativos de dados, o que mudará a forma como cultivamos, processamos e distribuímos. Já estamos vendo isso: eFishery é um ótimo exemplo de dados que trazem um valor econômico imediato em um espaço que, de outra forma, dependeria de muita arbitragem", reflete Saraiva Gomes.

Entretanto, ele aponta a nutrição e a genética como campos que provavelmente continuarão a produzir bons resultados.

"Nosso investimento na SyAqua está indo muito bem - não nos surpreende que esteja indo contra os [tempos difíceis no] setor de camarão, porque nos esforçamos muito para criar uma empresa que realmente agregue valor aos produtores. Achamos que ela é um ótimo exemplo do tipo de empresa em que queremos investir e construir", conclui ele

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here