Aquicultura para todos

Women in aquacultureColocando o setor de aquicultura da Indonésia no mapa

Camarão ONG Sustentabilidade +8 mais

Ita Sualia tem uma carreira diversificada e impactante na aquicultura da Indonésia. Atualmente, ela é diretora de operações da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), supervisionando projetos que apoiam empresas de aquicultura de pequeno e médio porte, desde incubatórios até mercados de exportação. Sua missão é aprimorar o setor de aquicultura da Indonésia, abrangendo aspectos como rastreabilidade de produtos, certificação de camarões e crescimento do setor de algas marinhas, para aumentar sua competitividade global.

por project communication specialist, Hatch Innovation Services
Sakinah Lisa thumbnail
Ita Sualia no lançamento do Programa Global de Qualidade e Padrões (GQSP) em Jacarta

Você poderia descrever brevemente sua carreira na aquicultura?

Tudo começou durante meus estudos de graduação, quando optei por me formar em gestão de recursos aquáticos. Depois disso, concluí um programa de mestrado em gestão de recursos marinhos e costeiros. Em 2005, embarquei em uma missão para contribuir com os esforços de recuperação pós-tsunami em Aceh-Nias, na Indonésia, juntando-me à Wetlands International, uma ONG sediada na Holanda. Meu foco passou a ser o início de projetos voltados para a restauração de ecossistemas de mangue e o fornecimento de meios de subsistência em aquicultura em áreas costeiras que haviam sido devastadas pelo tsunami

Mais tarde, fui transferido para Bogor, na Indonésia, onde meu foco principal era avaliar a aplicabilidade de esquemas de certificação, como o Aquaculture Stewardship Council (ASC) e Global GAP para fazendas de camarão de pequena escala.

Depois disso, procurei entender como os manguezais poderiam ser integrados à criação de camarões e peixes-leite em Pemapang. Considerando que 80% da aquicultura de camarão da Indonésia são fazendas tradicionais localizadas em áreas de mangue, essa exploração teve uma importância significativa. Tive o privilégio de desenvolver um guia que delineava as etapas para a implementação dessa integração, conhecida como "Silvofishery".

Em essência, minha carreira tem sido consistentemente centrada em um equilíbrio entre a preservação do ambiente e a promoção da aquicultura sustentável.

Desde 2021, faço parte da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), onde minha função envolve apoiar pequenas e médias empresas (PMEs) ao longo de toda a cadeia de suprimentos da aquicultura, desde incubatórios até mercados de exportação.

Sualia colhendo Gracilaria, um gênero de algas vermelhas

Como diretor de operações da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO), a função de Sualia envolve o apoio a pequenas e médias empresas em toda a cadeia de suprimentos da aquicultura

O que o inspirou a seguir uma carreira em aquicultura?

O que realmente despertou minha paixão pela aquicultura foi o fato de que temos a capacidade de intervir proativamente e supervisionar cerca de 80% do processo. Isso significa que podemos exercer controle sobre fatores críticos, como a criação de peixes, qualidade da água e o equilíbrio ecológico geral. Quando eu estava na universidade, a Indonésia era o segundo maior produtor de aquicultura do mundo. No entanto, há lacunas visíveis que precisam ser resolvidas para que a Indonésia possa competir plenamente no cenário global da aquicultura. Essas constatações despertaram meu entusiasmo e me levaram a considerar seriamente embarcar em uma carreira na aquicultura.

O que envolve sua função na UNIDO?

Em 2014, a UNIDO recebeu uma doação do governo suíço para melhorar o setor de aquicultura da Indonésia. Na fase inicial do projeto, de 2014 a 2019, ela concentrou seus esforços na pesca de captura, especialmente de atum, enquanto no setor de aquicultura, o foco estava em pangasius e algas marinhas. O principal objetivo desse projeto era expandir o acesso ao mercado de frutos do mar da Indonésia.

Sou o diretor de operações da organização, com foco no Global Quality and Standards Program (GQSP) for Fisheries and Aquaculture.

Subsequentemente, entre 2019 e 2023, a UNIDO concluiu com sucesso outra fase do projeto, que envolveu a colaboração com o Ministério de Assuntos Marinhos e Pesca (MMAF). Essa fase se concentrou em cinco commodities essenciais da aquicultura: camarão, algas marinhas, pangasius, peixe-leite e bagre. As principais atividades durante esse período giraram em torno do fornecimento de treinamento e orientação a vários participantes do setor, incluindo agricultores e estudantes, com foco em áreas como padronização e certificação, com base nas práticas recomendadas.

Sualia monitorando um projeto de restauração de mangue

Um dos projetos em que Sualia está envolvida na UNIDO é a restauração de ecossistemas de mangue, que podem atuar como sumidouros naturais de carbono e, ao mesmo tempo, fornecer um habitat sustentável para o cultivo de camarões

Ao olhar para o futuro da UNIDO, a organização está se preparando para lançar um novo projeto, com ênfase especial em camarão, peixe-leite e algas marinhas. A UNIDO está priorizando três aspectos ambientais e de inovação:

  1. Reabilitação de mangues e sequestro de carbono para fazendas de camarão. Isso envolve a restauração de ecossistemas de mangue, que podem atuar como sumidouros naturais de carbono, ao mesmo tempo em que proporcionam um habitat sustentável para o cultivo de camarão.
  2. Minimizar os resíduos gerados durante o processamento de algas marinhas e, ao mesmo tempo, promover a adoção de fontes de energia renováveis, como a energia solar.
  3. Apoiar a digitalização em várias atividades agrícolas para aumentar a eficiência e a sustentabilidade no setor, bem como facilitar a melhoria da rastreabilidade dos processos de aquicultura.

Em que consiste um dia típico de trabalho para você?

Meu trabalho gira em torno do monitoramento consistente da implementação do projeto e da comunicação contínua com o governo. Nosso relacionamento com o governo é muito próximo e colaborativo. Por exemplo, realizamos sessões de treinamento conjuntas entre o MMAF e a UNIDO, realizamos reuniões do comitê de direção a cada seis meses e organizamos visitas de monitoramento para os colegas do MMAF em locais de campo na Indonésia

Nesse ambiente em constante mudança, confiar apenas nas informações do assistente não é suficiente. Precisamos estar no local, observando a situação em primeira mão, e então determinar quais intervenções do projeto podem ser implementadas para uma resposta imediata de apoio aos agricultores. Isso é essencialmente o que meu trabalho envolve.

Além disso, a UNIDO desempenha um papel estratégico na definição de como podemos oferecer suporte ao setor de alimentos azuis. Isso engloba aspectos como finanças azuis e inovação azul. Juntamente com o MMAF, a UNIDO está trabalhando em como as políticas governamentais podem ser executadas para facilitar o acesso a mercados alternativos e agilizar o envolvimento de vários atores da cadeia de suprimentos. Por exemplo, quando se trata de entrar no mercado da UE, certos critérios precisam ser atendidos, e são necessários esforços de colaboração com o governo para navegar por esses requisitos de forma eficaz.

Trabalhadores rurais colhendo alevinos de peixe-leite em um viveiro em Pemapang

A UNIDO concluiu recentemente um projeto em colaboração com o MMAF que girava em torno do fornecimento de treinamento e orientação para cinco setores essenciais da aquicultura, incluindo a criação de peixes-leite, com foco em áreas como padronização e certificação, com base nas melhores práticas © Kuswantorop

Existe algum indivíduo ou organização na aquicultura que você tenha achado particularmente inspirador?

Há muitos, mas recentemente me senti particularmente inspirado por Ibu Samila, uma gerente do setor cooperativo de algas marinhas em Sulawesi do Sul. Ela desempenha um papel fundamental como intermediária, fornecendo suporte a 300 produtores de algas marinhas.

O que realmente se destaca é sua incrível força e determinação. Ela não apenas treina esses agricultores, mas também delega tarefas com eficiência, quebrando estereótipos sobre a fraqueza percebida das mulheres no setor. Suas ações enfatizam com firmeza seu compromisso com a igualdade de gênero.

Além disso, ela vai além dos papéis tradicionais das mulheres no campo. Ela as incentiva não apenas a coletar algas marinhas, mas também a se envolver em tarefas como amarrar cordas e passar por um treinamento abrangente. O que é realmente notável é que ela também se aventurou em suas próprias atividades de cultivo e coleta de algas marinhas.

Testemunhar sua jornada, desde começar com seu próprio capital até dar um exemplo de capacitação para outras pessoas, é realmente inspirador. Isso ressalta a importância de incentivar uma maior participação feminina na aquicultura na Indonésia.

Você encontrou algum desafio relacionado a gênero na aquicultura?

Eu vivenciei pessoalmente os desafios enfrentados pelas mulheres na aquicultura, que não apenas administram projetos, mas também se esforçam para equilibrar as demandas de cuidar dos filhos e, ao mesmo tempo, se envolver ativamente no trabalho de campo. Essa luta se reflete em muitas mulheres dentro e fora do campo da aquicultura.

De fato, uma possível solução é estabelecer e manter uma atmosfera de trabalho empática e consistente para as mulheres, especialmente as mães. Ao promover uma cultura inclusiva e compreensiva, podemos ajudar as mulheres a lidar com a complexa interação de suas vidas pessoais e profissionais de forma mais eficaz no campo da aquicultura e fora dele.

Sualia com um vendedor de camarão da Indonésia

Por meio de seu trabalho, Sualia viu que cada vez mais comunidades envolvidas na produção de camarões, algas e peixes estão prosperando, mostrando como a aquicultura pode contribuir significativamente para o crescimento da economia indonésia.

Você tem alguma preocupação especial com as mulheres na aquicultura?

As mulheres possuem uma infinidade de capacidades e, em setores como a aquicultura, por exemplo, no cultivo de algas marinhas, elas podem desempenhar um papel fundamental no sustento de suas famílias. No entanto, para capacitar ainda mais as mulheres nessas funções, é fundamental oferecer a elas treinamento aprimorado e oportunidades de desenvolvimento de habilidades.

Por exemplo, os programas de treinamento podem se concentrar em ensinar e fornecer às mulheres conhecimentos técnicos relacionados ao manuseio de equipamentos, como cordas, bem como treinamento em aspectos financeiros e de marketing. Isso envolve ensiná-las não apenas a gerenciar os aspectos financeiros de suas operações, mas também a comercializar seus produtos de forma eficaz.

Ao investir em iniciativas de treinamento direcionadas, podemos equipar as mulheres com as habilidades práticas e o conhecimento de que precisam para se destacar na aquicultura. Isso não só beneficia as mulheres individualmente, mas também contribui para o desenvolvimento geral e a sustentabilidade do setor, melhorando, em última análise, a subsistência das famílias e das comunidades.

Outro fator vital a ser considerado é ajudar as mulheres na aquicultura a se desenvolverem e a se tornarem mais eficientes

Outro fator vital a ser levado em conta é ajudar as mulheres do setor de aquicultura a obter salários justos e equitativos.

Que conselho você daria às mulheres que desejam iniciar uma carreira no setor?

Se você deseja construir uma carreira na aquicultura, é essencial começar por entender completamente as condições existentes no setor, especialmente no nível de base, onde os agricultores estão ativamente envolvidos em seu trabalho. Reserve um tempo para avaliar os desafios e as oportunidades que prevalecem na aquicultura.

Depois de ter uma compreensão clara do campo, pense em como suas habilidades e conhecimentos podem ser aplicados para causar um impacto positivo. Mais uma vez, aprenda com os agricultores. É importante destacar que os agricultores, com seu amplo conhecimento e experiência prática, representam alguns dos mentores mais valiosos e impactantes nesse domínio específico.

De qual conquista relacionada ao trabalho você mais se orgulha?

Um dos meus momentos de maior orgulho foi trabalhar com a equipe da UNIDO GQSp Indonesia para ajudar as unidades de processamento de peixes a entrar no mercado de exportação. Fornecemos orientação, modernizamos as instalações, aplicamos padrões rígidos de segurança e estabelecemos relações diretas com os compradores. Testemunhar o sucesso de suas exportações hoje é incrivelmente gratificante.

Nossa abordagem abrangente, que integra e fortalece toda a cadeia de valor, desde os agricultores até a produção e a distribuição, tem um efeito cascata. Cada vez mais comunidades envolvidas na produção de camarões, algas e peixes estão prosperando, mostrando como a aquicultura pode contribuir significativamente para o crescimento da economia indonésia

Qual seria a função dos seus sonhos na aquicultura?

Continuar a contribuir e desempenhar um papel nos processos de tomada de decisão que levem a um setor de aquicultura mais sustentável. Nossas experiências passadas, especialmente quando lidamos com o colapso do cultivo do camarão tigre preto, nos ensinaram lições valiosas. Portanto, desejo incentivar compradores, produtores e todo o ecossistema econômico a aprender com isso, pois precisamos adotar a sustentabilidade em todos os aspectos.

Sualia cultivando algas marinhas em Serang, na província de Banten, em Java

A Sualia acredita que a diversificação para novos mercados além dos Estados Unidos é essencial para a sustentabilidade de longo prazo da aquicultura indonésia

Em quais áreas você acha que a aquicultura indonésia deve se concentrar para maximizar seu desenvolvimento sustentável?

Em primeiro lugar, há uma necessidade premente de padronização no setor - ao aderir a padrões globais como os da ASC, a aquicultura indonésia pode ganhar credibilidade e acesso a mercados internacionais.

Em segundo lugar, o processo de obtenção de licenças para o estabelecimento de fazendas de aquicultura precisa ser simplificado. A simplificação e a agilização dos procedimentos de permissão podem eliminar obstáculos burocráticos desnecessários e incentivar mais pessoas a se envolverem com a aquicultura. O apoio do governo nessa área é fundamental para facilitar o crescimento do setor.

Além disso, a diversificação para novos mercados é essencial para a sustentabilidade de longo prazo da aquicultura indonésia. Embora os Estados Unidos tenham sido tradicionalmente o mercado mais importante para a Indonésia, explorar outros mercados é essencial para reduzir a dependência desse único mercado. Essa estratégia de diversificação pode ajudar a reduzir os riscos associados às flutuações do mercado e às mudanças na demanda.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: Women in aquaculture