Aquicultura para todos

Restorative aquacultureA força motriz por trás das aventuras do WWF no setor de algas marinhas

Carbono azul Processamento Algas marinhas / Macroalgas +5 mais

Tendo trabalhado em investimentos em biotecnologia e depois como pioneiro na criação de algas marinhas e mexilhões, Paul Dobbins foi persuadido a sair da aposentadoria pela segunda vez para trabalhar no programa e nos investimentos do WWF e agora pretende estimular os novos setores de algas marinhas na orla do Atlântico Norte e no leste do Pacífico.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
Paul Dobbins fundou - e dirigiu - a Ocean Approved, a primeira fazenda comercial de algas marinhas nos EUA

Mais tarde, a empresa passou a se chamar Atlantic Sea Farms e está se fortalecendo cada vez mais © Yoon S Byun, WWF-US.

Foi em 2018 que Dobbins, que recentemente havia vendido as primeiras fazendas comerciais de algas marinhas nos EUA, foi persuadido a se juntar ao WWF como diretor sênior de investimentos de impacto - em um momento em que a organização começou sua primeira incursão significativa em algas marinhas.

A instituição filantrópica de conservação havia recebido algum financiamento de pesquisa para analisar o espaço e Dobbins foi tentado a sair da aposentadoria após deixar a Ocean Approved (mais tarde renomeada como Atlantic Sea Farms) pela oportunidade de canalizar suas habilidades de investimento e agricultura para a promoção de um setor no qual ele ainda acreditava firmemente.

"O motivo pelo qual comecei a trabalhar com algas marinhas foi para criar empregos. Eu tinha uma carreira em biotecnologia e havia criado empregos em todo o mundo, e agora queria criar empregos na costa do Maine. Os ativos da área incluíam uma força de trabalho [pesqueira] altamente educada e experiente, que já estava capitalizada com os componentes mais caros - barcos e motores - e que tem um tempo de inatividade significativo no inverno. E é por isso que passamos a cultivar algas marinhas", explica ele.

"Eu disse à minha diretoria que faria isso por 10 anos, mas assim que soubéssemos que o modelo funcionava e que poderíamos entregá-lo aos pescadores, eu realmente queria me aposentar. Na primavera daquele ano, demos nossos primeiros cheques aos pescadores que agora também estavam cultivando - eu sabia que podíamos fazer isso e entreguei o cargo à minha membro do conselho, Brianna Warner", lembra ele.

A escolha de Warner, reflete Dobbins, foi extremamente condizente com o setor de algas marinhas em geral.

"As algas marinhas são o único setor dominado por mulheres no oceano e, o que é interessante, é que nas novas costas para o cultivo de algas marinhas está acontecendo a mesma coisa. Há mais mulheres cultivadoras de algas marinhas, mais mulheres processadoras e mais mulheres pesquisadoras do que homens - é fascinante", explica ele.

"É por diferentes motivos em diferentes litorais, mas há um fio condutor: é um setor extrativista, mas ao mesmo tempo restaurador. É um alimento saudável, é bom para o meio ambiente e é algo em que as mulheres podem se envolver. Por outro lado, às vezes, seja por razões culturais ou por consequências não intencionais das regulamentações, as mulheres não conseguem entrar nos setores marinhos", continua ele.

"Na Indonésia, os homens pescam em alto-mar - é uma questão cultural - mas o cultivo de algas marinhas, que fica mais próximo da costa, funciona bem para as mulheres que cuidam de suas famílias. Em nosso litoral, por outro lado, há uma longa espera para obter uma licença de pesca de lagosta, mas o cultivo de algas marinhas permite que as mulheres trabalhem na água, se quiserem. Nossa primeira companheira em nossa fazenda de mexilhões, Colleen Frankie, tem um marido que é pescador de lagosta, enquanto ela é agricultora de algas marinhas, porque não consegue obter uma licença para pesca de lagosta, mas quer trabalhar na água", acrescenta.

Oportunidades de mercado

Uma das primeiras ações de Dobbins ao ingressar no WWF foi participar de um estudo abrangente dos setores de algas marinhas em 23 países do mundo.

"Isso nos deu uma ideia do que seria necessário para promover esse setor de produção de alimentos além dos seis países que respondem por 98% da produção de algas marinhas", diz ele.

Em termos de mercados, o estudo sugeriu que a ração para gado era uma das aplicações mais promissoras para as algas marinhas.

"Metade dos grãos do mundo é destinada à ração animal, portanto, se pudermos substituir parte disso por um aditivo de ração que não use água doce, terra ou pesticidas, será uma verdadeira vitória. E isso também inclui uma oportunidade para a saúde animal", observa ele.

Um segundo mercado apontado pelo estudo foi o de substituição de embalagens à base de petróleo, como os plásticos convencionais. Embora Dobbins seja realista quanto aos desafios que precisam ser superados para substituir um produto tão versátil como o plástico - e que é eminentemente adequado para lidar com produtos úmidos - ele também está otimista de que isso pode ser feito para muitos usos.

"Adoro a frase 'não há novas ideias' - na década de 1930, no Reino Unido, todo o celofane era feito com matérias-primas de algas marinhas. Há uma grande oportunidade de fazer isso novamente", ele ressalta.

"Mesmo que as matérias-primas de algas marinhas não consigam atender às especificações técnicas de algumas formas de embalagem convencional, talvez elas possam fazê-lo para produtos com especificações mais baixas, como camisas ou sacolas de compras", acrescenta ele.

A terceira principal oportunidade apontada pelo WWF foi o uso de algas marinhas como fonte de proteína para alimentos humanos.

"Conversar com as empresas de carnes alternativas. Parte do desafio que eles têm com a proteína do grão-de-bico é que ela não tem um sabor muito bom e são necessários corantes para mascará-la, o que dá a ela o que o setor de alimentos chama de "rótulo sujo", o que significa que ela contém muitos ingredientes. Mas, com as proteínas de algas marinhas, você não precisa dessa máscara de sabor, não precisa de tantos corantes. O desafio é encontrar algo para fazer com os carboidratos depois de retirar a proteína", explica ele

Licença social para algas marinhas

Uma das principais áreas em que o WWF está trabalhando é a tentativa de melhorar a aceitação social do cultivo de algas marinhas, uma vez que elas ocorrem em um recurso comum.

"Você precisa da aceitação do público para cultivar no oceano - isso pode ser uma barreira significativa para o avanço, por diferentes razões em diferentes enseadas. Já vi áreas em que as comunidades de um lado da baía querem a fazenda e querem os empregos, enquanto o outro lado da baía diz que o oceano é deles e não querem apoiá-lo", explica ele.

"Se você estiver na China ou na Coréia do Norte, essas são decisões impostas pelo governo federal e não há muitos esquiadores aquáticos. Se estivermos no Maine, temos águas muito movimentadas - de lagosteiros a ricos proprietários de imóveis costeiros - e o que descobrimos é que é um número muito pequeno de pessoas que realmente tomará a decisão final", reflete

Em uma nota positiva, Dobbins observa que o setor de algas marinhas em seu estado natal, Maine, está começando a ganhar o apoio das famílias de pescadores, sendo que alguns deles agora ganham mais dinheiro com o cultivo de algas marinhas na baixa temporada do que com suas atividades tradicionais de pesca. No entanto, ele acrescenta que alguns pescadores estão sendo recrutados por grupos contrários ao cultivo para limitar o desenvolvimento do setor.

"Trata-se de política, de corações e mentes e esse - creio eu - é o nosso maior desafio", acrescenta Dobbins, e é por isso que cerca de 60% do fundo de algas marinhas do WWF é gasto em aprender mais sobre a questão, analisando exemplos positivos de outros setores e obtendo a aceitação do público.

"Grande parte desse financiamento é destinada à formação de pequenos grupos comunitários locais que desejam discutir essa questão", explica ele.

Algas crescendo em uma linha na fazenda de algas Ocean Rainforest nas Ilhas Faroe

A empresa das Ilhas Faroé conquistou o primeiro investimento do WWF no setor de algas marinhas © Todd Paige, WWF

Financiamento de startups promissoras

Entretanto, uma parte significativa dos 40% restantes do orçamento do WWF para algas marinhas é canalizada para o que Dobbins chama de "investimentos catalisadores" em empresas que têm o potencial de levar o setor ao próximo nível.

"Os investimentos realmente preenchem as peças do quebra-cabeça que são necessárias para fazer o setor avançar", explica ele. "Nosso ciclo de investimento é de 7 a 10 anos - a inovação no oceano leva um pouco de tempo, principalmente quando se lida com biologia e estações do ano - embora já tenhamos visto alguns resultados promissores

O primeiro desses investimentos foi na Ocean Rainforest, a pioneira no cultivo de algas das Ilhas Faroé.

"Um dos projetos que a Ocean Rainforest está investigando é colocar fazendas em ambientes de energia mais alta. As plataformas não apenas sobreviveram, mas também tiveram grandes rendimentos que puderam ser colhidos. Isso prova o conceito de que é possível cultivar em ambientes de alta energia e, se for possível cultivar mais longe da costa, é provável que as fazendas sejam mais amplamente aceitas pelo público", observa ele.

O segundo foi na Oceanium, que está desenvolvendo uma biorrefinaria perto de Oban, na Escócia.

"Eles estão desenvolvendo um processo de biorrefinaria em cascata verde que extrairá diferentes matérias-primas das algas marinhas, de modo que haja muito pouco desperdício. Ele atende a uma série de mercados para os quais o uso de algas marinhas terá um impacto menor sobre o meio ambiente do que as matérias-primas atuais, o que é muito empolgante, embora eles ainda estejam fazendo muita pesquisa. Não é uma coisa fácil de fazer, mas nosso papel é apoiar as empresas que estão fazendo a coisa difícil. Quando elas desenvolverem seu processo e colocarem as plantas piloto em funcionamento, isso criará uma demanda significativa por algas marinhas, o que permitirá que mais agricultores entrem na água", explica Dobbins.

O terceiro investimento da WWF foi na Seaweed Solutions, com sede em Trondheim, Noruega.

"A Noruega tem o segundo maior litoral de todos os países do mundo e há uma oportunidade significativa para desenvolver a aquicultura de algas marinhas no país - é o berço da criação de salmão e é uma nação voltada para o oceano - e a Seaweed Solutions está investindo muitos recursos no desenvolvimento da capacidade de viveiros. Nossos recursos serão usados para expandir sua capacidade, de modo que outros agricultores tenham a oportunidade de cultivar algas marinhas", ele reflete.

Dobbins acrescenta que, no momento, eles estão procurando fazer mais investimentos em várias partes da cadeia de valor, com foco em processamento inovador, aceitação pública e educação de crianças.

Finalmente, o restante dos esforços da instituição de caridade é gasto em "trabalho programático tradicional", como iniciativas educacionais e viagens de campo de agricultores.

Questões tecnológicas

Como agricultor pioneiro de algas marinhas, ele também está ciente de que há várias barreiras tecnológicas a serem superadas, especialmente no Ocidente.

Na verdade, ele observa que os níveis de produtividade no Ocidente estão muito aquém daqueles que estão sendo alcançados com o cultivo de espécies semelhantes de algas marinhas na Ásia.

"Na Coreia, os agricultores estão produzindo até 28 kg de algas marinhas por metro de linha, enquanto os agricultores do Maine dão pulos de alegria se conseguirem 3-4 kg por metro. Parte disso é aprender a cultivar - há uma fazenda na Baía de Tóquio que tem 350 anos de idade, então eles descobriram como cultivar, nós [no Maine] estamos fazendo isso há 14 anos. Precisamos desenvolver esse polegar azul", ele reflete.

Ele também aponta para a longa seleção de cepas específicas de algas marinhas na Ásia.

"Não é CRISPR Cas-9 ou OGM, é reprodução seletiva e é por isso que a Coreia e o Japão obtêm rendimentos tão altos, mas a reprodução seletiva está apenas começando no Hemisfério Ocidental", observa ele.

Dobbins está acompanhando uma série de projetos que atualmente visam melhorar a genética das algas marinhas, como a iniciativa SeaMark, financiada pelo Horizon 20-20, que envolve o aproveitamento da experiência que a cervejaria Carlsberg desenvolveu com a cevada e a tentativa de aplicá-la às algas.

"Há lições a serem aprendidas com 10.000 anos de agricultura e pegar o melhor do que eles fizeram e aplicá-lo às algas marinhas", diz Dobbins.

Entretanto, as técnicas de cultivo também precisam ser aprimoradas - especialmente no Ocidente - e Dobbins observa que o WWF está ajudando a financiar vários projetos nesse campo também, mas ele está confiante de que esses desafios serão superados com relativa rapidez, permitindo o aumento da escala de produção, o processamento cada vez mais avançado dos produtos acabados e a evolução dos mercados ao longo do tempo.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: Restorative aquaculture