Aquicultura para todos

Seis maneiras de tornar suas operações de aquicultura mais resistentes ao clima

Camarão Mudanças climáticas Peixe-gato / Pangasius +10 mais

Compartilhamento de dicas práticas para que os operadores de aquicultura de pequena escala, especialmente aqueles localizados nos trópicos, se adaptem e se tornem mais resistentes às mudanças climáticas e aos eventos climáticos extremos.

por Aquaculture consultant
Kyra Hoevenaars thumbnail
Aquaculture consultant
Jonah van Beijnen thumbnail
Uma vila flutuante no rio Hau, no Vietnã, uma das principais áreas de produção de pangasius do país

Eventos climáticos extremos estão colocando as operações de aquicultura em risco

A maioria das fazendas de peixes e camarões depende muito das condições ambientais, especialmente do fornecimento de água limpa a uma temperatura estável, o que as torna especialmente vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas.

Os principais fatores de estresse climático que afetam a aquicultura são as flutuações de temperatura, as mudanças nos padrões de chuva que causam inundações ou secas e o aumento da variabilidade e da gravidade das tempestades. A aquicultura marinha também é afetada pela acidificação dos oceanos e pelo aumento da ocorrência de florescências de algas nocivas (HABs). Os impactos são diferentes, dependendo da espécie cultivada, do ambiente da fazenda, do tipo de sistema de cultivo e da localização geográfica. Os impactos podem ocorrer em um período muito curto (por exemplo, chuvas fortes), enquanto outros são tendências de longo prazo, com mudanças que ocorrem gradualmente ao longo do tempo (por exemplo, acidificação dos oceanos).

Noventa por cento das operações de aquicultura enfrentam riscos decorrentes de mudanças ambientais.

Pouco tempo? Assista a um breve resumo deste artigo

Um bom exemplo é Myanmar. Em maio de 2023, o Ciclone Mocha atingiu o sul da Baía de Bengala, com o centro da tempestade próximo à cidade de Sittwe, no estado de Rakhine. Essa foi uma das tempestades mais poderosas já registradas na região, com ventos que atingiram 259 quilômetros por hora, e cerca de 670.000 hectares de terra foram inundados, afetando os meios de subsistência e a segurança alimentar das regiões já atingidas pela pobreza. Mais de um milhão de pessoas de um número estimado de 237.000 famílias foram afetadas, incluindo muitos criadores de peixes e camarões. Houve perda de estoque e destruição de infraestrutura. A ONU estimou que duas em cada três famílias de agricultores e mais de uma em cada três famílias de pescadores na área perderam seus ativos produtivos. A perda econômica total foi calculada em US$ 2,24 bilhões, o que equivale a 3,4% do PIB de Mianmar.

De forma semelhante, em 2021, os produtores de camarão da Índia foram atingidos pelo ciclone Yaas, perdendo cerca de 12.000 toneladas de camarão (avaliadas em US$ 130 milhões). Foi difícil para os agricultores recomeçarem, pois alguns tinham empréstimos para pagar, além das perdas de camarão e infraestrutura.

As fazendas marinhas também são regularmente atingidas por tempestades mais severas que parecem estar aumentando nos últimos anos. Na Escócia, 50.000 salmões escaparam após danos às redes causados pela tempestade Ellen em 2020 e no Chile, entre 500.000 e 800.000 peixes escaparam devido a danos causados por tempestades. Os danos causados às gaiolas flutuantes na Tailândia pelo tsunami em 2005 totalizaram US$ 32,7 milhões, com mais de 40.000 gaiolas destruídas.

Os efeitos das mudanças climáticas são altamente imprevisíveis e extremamente localizados, o que complica ainda mais a situação. Enquanto algumas áreas sofrerão mais chuvas, outras serão afetadas por secas mais severas ou tempestades mais frequentes e maiores. Portanto, as medidas de adaptação devem ser ajustadas de acordo com as circunstâncias locais, pois ameaças diferentes exigem opções de adaptação diferentes. Em princípio, o objetivo é que todas as medidas de adaptação sejam projetadas para reduzir a vulnerabilidade e adaptar-se efetivamente ao impacto climático. A seleção de medidas de adaptação eficazes também depende da aceitação da comunidade, da urgência da implementação, da viabilidade técnica, da facilidade de implementação e dos custos necessários para implementar as medidas.

Neste artigo, fornecemos dicas gerais para pequenos agricultores seguirem ao iniciarem uma fazenda de aquicultura ou ao adaptarem sua fazenda às mudanças climáticas. Doris Soto, que trabalhou para a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) por 12 anos, liderando a equipe de aquicultura em questões ambientais e mudanças climáticas, acrescenta seus insights à nossa própria experiência de trabalho em aquicultura de pequena escala no Sudeste Asiático, no Oriente Médio e na África nos últimos 20 anos.

1. Implemente as melhores práticas de gerenciamento

"O aprimoramento das práticas de manejo é o primeiro passo para a adaptação ao clima, especialmente o aprimoramento da biossegurança, considerando densidades de estocagem menores e garantindo uma boa localização da fazenda", diz Soto.

A implementação das melhores práticas de manejo (BMPs) em todos os aspectos da produção melhorará a resiliência geral da fazenda. A suscetibilidade a doenças tende a aumentar com as mudanças climáticas, uma vez que o sistema imunológico dos animais fica comprometido quando eles estão estressados (por exemplo, por causa da água mais quente dentro e ao redor da fazenda). Garantir a saúde de peixes e camarões por meio da implementação de BMPs reduzirá os riscos de doenças. As medidas ambientais que garantem a proteção dos ecossistemas locais também diminuirão a vulnerabilidade das fazendas às mudanças climáticas. As BMPs também contribuem para melhorar a higiene, a eficiência alimentar e a qualidade da água.

As diretrizes sobre as melhores práticas de gerenciamento para aquicultura são fornecidas por ASEAN, WorldFish e Sustainable Fisheries Partnership. A WorldFish também publicou uma série de vídeos sobre boas práticas de aquicultura. Alguns guias são aplicáveis a determinadas áreas geográficas ou espécies, mas grande parte do conteúdo pode ser transferido para outras áreas ou espécies semelhantes.

Lagoas de camarão inundadas após o ciclone Amphan, que atingiu Bengala em 2020

© Gurvinder Singh

2. Faça uma análise baseada em riscos

Durante a seleção do local e o planejamento da fazenda para uma nova fazenda, deve ser realizada uma análise baseada em riscos em relação às mudanças climáticas e aos eventos climáticos extremos. Isso também pode ser feito para operadores existentes que desejam adaptar suas fazendas. Uma avaliação precisa examinar os riscos climáticos de uma área em termos de exposição, impactos potenciais e capacidade de mitigação de riscos. O objetivo final de uma avaliação de risco é apresentar recomendações de medidas que reduzam os riscos relacionados ao clima: as chamadas medidas de adaptação. Com base na avaliação de riscos, é possível desenvolver um plano de preparação para desastres, com o objetivo de monitorar as ações de mitigação de riscos, como as medidas de adaptação.

Normalmente, uma avaliação de risco é realizada por organizações que abrangem todo um país, região ou projeto. No entanto, as avaliações de risco também podem ser feitas por um grupo de agricultores (uma associação ou cooperativa de agricultores) ou por agricultores individuais maiores. As diretrizes sobre como realizar avaliações de risco estão disponíveis em Care, UN e GIZ.

Se a avaliação de risco encontrar riscos muito altos que não possam ser atenuados, deve-se considerar a realocação para áreas mais seguras. Como alternativa, projetos de aquicultura de ciclo curto podem ser implementados em áreas que enfrentam períodos mais longos e regulares de seca ou inundação. Por exemplo, é possível cultivar uma espécie de peixe de crescimento rápido que possa ser colhida antes do início da estação chuvosa ou seca. O armazenamento de alevinos maiores também encurta o período de cultivo e, portanto, também reduz os riscos de produção. Por fim, o cultivo de espécies com capacidade de respirar ar, como bagres, pangasius e percas trepadeiras, pode ser uma opção viável quando a quantidade e a qualidade da água são restritas. Essas espécies também podem ser movidas mais facilmente em caso de emergência.

3. Diversifique sua produção

Não coloque todos os seus ovos em uma única cesta: a diversificação de produtos é uma estratégia comumente usada para distribuir os riscos contra perdas. Ela pode permitir a continuidade da produção se uma cultura falhar. Ao selecionar espécies que podem se beneficiar mutuamente, a diversificação da fazenda também reduz o desperdício e aumenta a produtividade ao usar subprodutos de uma espécie como insumos para outras espécies. Ela também diversifica as fontes de renda dos agricultores, estabiliza a produção e aumenta a eficiência dos recursos.

No entanto, como observa Soto: "A diversificação só funciona se espécies ou produtos diferentes não estiverem sujeitos ao mesmo risco, por exemplo, eventos extremos como o que ocorreu em Mianmar em 2023 podem afetar todos os sistemas e espécies de cultivo de aquicultura".

Também deve ser considerado o uso de sistemas integrados de agricultura-aquicultura e de aquicultura de policultura. Essa abordagem diversifica ainda mais os meios de subsistência, fornece alimentos extras para a família e para venda e usa a água escassa de forma mais eficiente, o que a torna uma medida eficaz de adaptação ao clima. A água do tanque pode ser usada para a irrigação das plantações, enquanto os resíduos das plantações podem ser usados como alimento para os peixes. Os nutrientes presentes na água do tanque, provenientes da excreção dos peixes, atuam como fertilizantes naturais para as plantações. A vegetação nos diques dos lagos também os fortalece e reduz a erosão.

A seleção de linhagens e variedades locais tanto para os peixes quanto para as culturas é fundamental, pois, na maioria dos casos, elas são mais bem adaptadas ao clima local e aos patógenos locais.

Nas fazendas marinhas, a aquicultura multitrófica integrada (IMTA) pode ser implementada como um meio de diversificação. As algas marinhas podem ser cultivadas ao redor das gaiolas marinhas e os alimentadores de filtros, como bivalves e pepinos do mar, podem ser cultivados sob ou ao redor das gaiolas. No entanto, o IMTA ou qualquer sistema diversificado não pode resolver problemas resultantes de um perigo comum, como um evento extremo de tempestade

Além disso, o mercado pode ser diversificado entre opções locais, nacionais e internacionais. O fornecimento aos mercados locais tem a vantagem de que os requisitos de transporte são limitados e contribui para a segurança alimentar local.

Doris Soto (à direita) com um de seus alunos de doutorado em uma fazenda de mexilhões no sul do Chile

© Doris Soto

4. Utilize sistemas de alerta precoce

Os agricultores devem estar familiarizados com fontes confiáveis de informações sobre mudanças climáticas e variabilidade climática. Informações oportunas podem permitir que os agricultores respondam mais rapidamente aos riscos climáticos. É importante entender e interpretar bem as previsões meteorológicas, como as previsões do tempo. Faça uso das previsões para se preparar para eventos climáticos extremos. As previsões meteorológicas on-line diárias fornecem informações sobre os próximos eventos climáticos extremos, como ciclones e marés altas extremas. Quando as mudanças na salinidade, na disponibilidade de água e em outros parâmetros importantes são previstas com antecedência, os agricultores podem preparar suas fazendas para minimizar perdas e danos.

De acordo com Soto, um número cada vez maior de agricultores já está começando a usar sistemas de alerta antecipado. A maioria dos agricultores agora tem um telefone celular e os sistemas de alerta antecipado podem ser usados com tecnologia simples, em sua maioria proveniente dos governos, portanto, há um grande potencial para que todos os vilarejos sejam informados caso um ciclone severo esteja se aproximando ou para se manterem atualizados sobre os últimos acontecimentos relacionados a uma temporada de El Niño. A principal lacuna é entender a previsão e melhorar a preparação e a resposta a emergências. Os agricultores geralmente podem ter acesso a treinamento por meio de ONGs ou programas governamentais.

A tecnologia usada nos sistemas de alerta precoce inclui inteligência artificial, sensoriamento remoto e imagens de satélite, além da Internet das Coisas. Empresas como a Scoot Science e a Blue Lion Labs usam ferramentas para prever surtos de eventos oceânicos extremos e HABs.

Exemplos de respostas emergenciais a perigos incluem a colheita antecipada, o fortalecimento da infraestrutura da fazenda, o aumento da taxa de troca de água e o fornecimento de aeração. Algumas fazendas de gaiolas podem ser rebocadas para locais mais seguros, e as cordas e redes devem ser verificadas para garantir que tudo esteja bem amarrado.

As respostas de emergência incluem a colheita antecipada, o fortalecimento da infraestrutura da fazenda, o aumento da taxa de troca de água e o fornecimento de aeração

5. Melhoria da infraestrutura da fazenda

Para as fazendas com lagos no interior, diques mais altos e mais fortes podem proteger contra inundações e oferecer uma oportunidade de ter lagos mais profundos em preparação para secas e clima quente, uma vez que eles têm uma temperatura de água mais estável e uma maior reserva de oxigênio dissolvido. Eles também são menos sensíveis a fatores ambientais em períodos de seca. Os diques devem ser feitos da forma mais estável possível para suportar enchentes e tempestades. Isso pode ser feito usando as proporções corretas de altura e largura do dique e o ângulo correto da inclinação. Redes podem ser colocadas nos diques ao redor dos lagos para evitar fugas durante inundações e chuvas fortes.

Em áreas com chuvas fortes ou inundações, é importante garantir que a água possa fluir para fora do tanque. Para isso, são importantes tubulações e comportas para a entrada e saída de água, bem como canais de drenagem. Os canais devem ser largos e profundos o suficiente para absorver água extra em caso de chuvas fortes e inundações. Caso a área sofra períodos de seca, um canal de entrada pode ser útil para garantir o abastecimento de água do mar ou do rio. Reservatórios de água (ou lagoas de reserva) também podem ser construídos para amortecer os períodos de seca.

Para fazendas marinhas, podem ser implantadas gaiolas marinhas submersíveis, mas elas são caras e mais difíceis de gerenciar, portanto, atualmente não são adequadas para pequenos agricultores. As estruturas das gaiolas, as amarras e as redes devem ser de qualidade suficiente para suportar as tempestades mais fortes. As fazendas também devem ter equipamentos para recapturar os peixes que escapam. Como melhorar a infraestrutura das fazendas é caro, é possível que os governos, como parte de sua política de mudança climática, ofereçam esquemas de microfinanciamento, seguros e empréstimos para investir na infraestrutura das fazendas. Os agricultores podem se informar se essas opções estão disponíveis em seus respectivos países.

Os tanques de peixes com diques muito baixos, como estes na Zâmbia, são vulneráveis a inundações

© Kyra Hoevenaars

6 Colaborar com outros agricultores

A maioria das medidas de adaptação não pode ser implementada apenas por um único agricultor. Portanto, as organizações de agricultores e outras entidades comunitárias e governamentais devem desempenhar um papel importante na construção de fazendas e comunidades resilientes. As organizações de agricultores permitem o agrupamento coletivo de recursos e habilidades. Além de implementar medidas de adaptação em conjunto (por exemplo, prevenção de doenças), eles também podem trabalhar juntos para receber treinamento, trocar informações, compreender seu ecossistema, desenvolver infraestrutura, comprar insumos e comercializar produtos.

Reunião de uma associação de criadores de peixes na Zâmbia

© Kyra Hoevenaars

O que fazer daqui para frente?

Apesar de vários projetos encorajadores nesse campo, ainda há muito poucas histórias de sucesso detalhadas e respaldadas por dados sobre como as medidas de adaptação funcionaram, por isso é importante que mais estudos sejam realizados nessa área.

"No momento, não temos sistemas de monitoramento ou indicadores muito bons para medir o sucesso das medidas de adaptação", diz Soto. Ela enfatiza que isso é necessário para selecionar medidas eficazes e viáveis

Além disso, a implementação de medidas de adaptação geralmente tem um custo considerável. Para os pequenos agricultores, que trabalham incansavelmente para colocar comida na mesa das comunidades em todo o mundo, embora muitas vezes eles próprios vivam na pobreza, a implementação de algumas dessas mudanças será, portanto, um desafio. É necessário o apoio do governo por meio de políticas, legislação e apoio financeiro para a implementação de medidas de adaptação. Parte desse custo também deve ser assumido pelos consumidores, por meio de preços mais altos.

A segurança alimentar é de importância fundamental para nossa população global, que continua crescendo. Ao trabalharem juntos e assumirem a responsabilidade coletiva, os operadores de aquicultura podem ajudar a criar um sistema alimentar resistente ao clima e preparado para o futuro.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here