Aquicultura para todos

Meet the farmerA odisséia global da aquicultura de Albert Ferrer LLadosa

Camarão-tigre Sistemas de alimentação Saúde +14 mais

After working in Namibia, Nicaragua, Saudi Arabia and Australia, Albert Ferrer Lladosa’s most recent venture has been managing an indoor shrimp farm in Greece.

por Fish welfare specialist
Laïla Akhtar thumbnail
O interesse de Lladosa pela aquicultura foi despertado quando ele era estudante na Universidade de Cádiz

A Lladosa vê a aquicultura como uma forma ambientalmente responsável de produzir alimentos e produtos de consumo

"Minha jornada na aquicultura começou com ostras em 2006, enquanto estudava oceanografia na Universidade de Cádiz. Enquanto estava lá, fiz um estágio na em uma empresa de produção de ostras em Walvis Bay, Namíbia. Aprendi sobre todos os estágios de produção de ostras do Pacífico (Crassostrea gigas), incluindo criação, incubatório, viveiro e crescimento. Percebi que a aquicultura é o futuro da produção de alimentos e decidi fazer dela o foco de minha carreira profissional", explica Lladosa.

Lladosa vê a aquicultura como uma fonte ambientalmente responsável de alimentos e produtos comerciais, ajudando a preservar habitats e a reconstruir estoques de espécies ameaçadas.

"Comecei meu primeiro trabalho na Pescanova, cultivando camarões na Nicarágua, em 2011. Depois disso, em 2014, trabalhei para o Natural Aquaculture Group na Arábia Saudita em vários projetos com foco na preservação da diversidade genética de reprodutores de camarão SPF e, em 2019, consegui um cargo de curto prazo na Tassal na Austrália. Lá, trabalhei na domesticação e criação de camarão tigre preto (Penaeus monodon). Uma parte fundamental da função era aplicar as lições aprendidas com o setor vannamei. Mas esse projeto foi desacelerado pela Covid-19. Quando retornei à Espanha, fui contatado pela Europrawn Hellas em 2020 para operar na Grécia", reflete Lladosa.

Ele foi recrutado como gerente geral da operação por seus investidores gregos e australianos, que ficaram impressionados com sua experiência em criação de camarões. Ele aproveitou a oportunidade, vendo a criação de camarões em ambientes fechados como uma ótima maneira de diversificar seus conhecimentos e, nos últimos dois anos, tem ajudado no desenvolvimento e na comercialização do projeto.

"Pouquíssimas pessoas entendem a qualidade da alimentação orgânica e como os camarões podem ser cultivados de forma responsável em um sistema baseado na terra que cumpre todos os padrões exigidos para o consumo", enfatiza Lladosa.

De acordo com Lladosa, um dos principais desafios tem sido a aquisição de rações certificadas como orgânicas, pois as regulamentações da UE para rações orgânicas para camarões ainda não estão totalmente desenvolvidas. Ele também observa que é impossível para o camarão tigre preto competir com o camarão perna branca em termos de preço nos mercados globais.

"O camarão whiteleg, ao contrário do camarão black tiger, se beneficiou de uma expansão de mercado. Eles tiveram melhorias na genética e nas tecnologias, o que reduziu os custos de produção e, ao mesmo tempo, alcançaram preços melhores", observa ele.

Lladosa segurando um camarão-tigre juvenil

A Lladosa tem trabalhado no incipiente setor de camarões de interior da Europa

Da mesma forma, ele observa que o mercado grego concorre com países como a Índia e o Vietnã, que estão à frente do jogo, com alguns produtores colhendo diariamente uma quantidade semelhante à colhida por uma fazenda terrestre em um ano inteiro. As economias de escala significam que os europeus não podem competir em termos de preço - ou confiabilidade de fornecimento - com os produtores tradicionais.

"É difícil convencer os consumidores a mudar o preço de um produto local que é vendido fresco. Enquanto isso, os comerciantes querem continuidade e qualidade", observa ele

Como resultado, ele aponta para a necessidade de criar uma marca eficaz, baseada em sustentabilidade, certificação e narrativa, usando ferramentas como o marketing digital.

Reprodutores de Penaeus monodon livres de patógenos específicos (SPF)

A Lladosa trabalhou na domesticação e criação de camarões tigre preto (Penaeus monodon) na Austrália

Novos desafios e oportunidades o aguardam

Lladosa decidiu recentemente sair da Europrawn, mas diz que aprendeu muitas lições valiosas.

"Entrei na Europrawn porque ela me permitiu continuar meu desenvolvimento profissional na Europa. Não achei difícil começar um projeto do zero depois de me mudar para um país, uma cultura e um idioma diferentes. Reprojetei, instalei e coloquei em funcionamento com sucesso todos os sistemas de viveiro e cultivo, resultando em uma instalação totalmente funcional. Incorporei a tecnologia de maturação e larvicultura em um incubatório comercial, agregando valor estratégico à empresa. Treinei 22 pessoas em todo o processo de produção - desde a maturação dos reprodutores até o produto final embalado - resultando em um produto de qualidade endossado por especialistas em hospitalidade grega", reflete ele

No entanto, ele acredita que seu próximo passo é se tornar um empreendedor e planeja estabelecer seu próprio negócio de aquicultura, provavelmente na Espanha.

"Como produtores, precisamos aplicar nossos anos de experiência e habilidades para moldar o futuro da aquicultura. Precisamos desenvolver tecnologias e ferramentas que automatizem e facilitem a produção de camarões em todo o mundo e as tornem acessíveis para países e produtores onde o acesso a essa tecnologia é muito caro", explica ele.

Dicas para colegas produtores

Nos últimos 17 anos, Lladosa testemunhou como a intensidade da produção aumentou e como os resultados adversos de saúde e as condições ambientais estão afetando a produção de camarão. Ao longo de sua carreira, ele se concentrou em como as variáveis químicas da água influenciam a saúde do camarão e como elas podem ser gerenciadas para otimizar a produtividade da fazenda quando se desviam dos valores ideais.

"O acúmulo de amônia, nitrito e - em menor grau - nitrato pode afetar negativamente a qualidade da água do ambiente em viveiros de camarão. Isso, por sua vez, pode afetar a produtividade e os indicadores de saúde animal, como a taxa de crescimento e a suscetibilidade a patógenos", explica ele

"As condições ambientais nas quais essas espécies são cultivadas são dinâmicas e mudam de forma rápida e imprevisível. A química da água deve ser compreendida, os tanques monitorados e a análise contínua dos resultados é necessária para fornecer soluções para o controle do ambiente", acrescenta.

Camarão tigre preto de criação

A Lladosa acredita que a produção de camarões pode ser revolucionada se os agricultores puderem controlar completamente o ambiente de produção e aderir a padrões rigorosos de biossegurança

De acordo com Lladosa, várias tecnologias emergentes e disruptivas têm o potencial de revolucionar a aquicultura. Entre elas estão a tecnologia digital, a robótica, a aquicultura terrestre, o RAS, as técnicas de diagnóstico e a substituição da farinha e do óleo de peixe por proteínas alternativas.

"O setor de aquicultura é relativamente lento para adotar novas tecnologias. Entretanto, os recentes avanços tecnológicos podem oferecer oportunidades para uma aquicultura sustentável e lucrativa. Embora esses avanços existam, há uma lacuna significativa entre sua disponibilidade e a aplicação real. É um desafio integrar várias tecnologias aos sistemas de aquicultura com sucesso. Isso requer investimento, pesquisa e membros qualificados da equipe", explica ele.

"O fator mais importante para a produção bem-sucedida de camarões é um ambiente altamente controlado, onde os procedimentos operacionais são padronizados dentro de uma estrutura de biossegurança e conformidade", conclui.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: Meet the farmer

Dr. Hesham Haggag: O supremo da aquaponia no Egito

Apesar do ceticismo de algumas partes do setor de aquicultura convencional, a aquaponia pode fazer uma contribuição significativa para a segurança alimentar global, além de ser um negócio próspero, de acordo com o Dr. Hesham Haggag, fundador da primeira empres…