Aquicultura para todos

Dupla dinâmica do Quênia garante investimentos revolucionários

Ingredientes de ração Criação Sustentabilidade +11 mais

Duas das empresas de aquicultura lideradas por mulheres mais progressistas do Quênia - a Rio Fish e a Great Lakes Feeds - receberam, cada uma, doações de KES 56.000.000 (US$ 384.000) este ano, em uma tentativa de promover o empoderamento econômico das mulheres na crescente economia azul do Quênia.

por Founder, Samaky Hub
Proscovia Alando thumbnail
Angela Odero, CEO e cofundadora da Rio Fish

A Rio Fish está acabando com a exploração do comércio de sexo por peixe no Quênia, estabelecendo vínculos de mercado robustos que permitem às mulheres comerciantes acesso conveniente e acessível a suprimentos confiáveis de peixe

Os subsídios foram concedidos pelo programa Investing in Women in the Blue Economy in Kenya (IIW-BEK), administrado pelo African Enterprise Challenge Fund (AECF), que tem a missão de capacitar as mulheres e abordar as disparidades de gênero na economia azul do Quênia. Com um grande foco na promoção da participação econômica das mulheres, essa iniciativa tem como alvo 110 empresas de propriedade de mulheres em vários setores da economia azul, promovendo a criação de empregos e o sucesso empresarial.

"O programa busca criar 1.490 empregos diretos, beneficiar 1.560 mulheres empresárias, seus funcionários, fornecedores e produtores em setores relacionados à economia azul. Nós nos concentramos em áreas importantes, incluindo pesca, aquicultura, energia renovável, gerenciamento de resíduos e proteção da biodiversidade. O programa tem como objetivo fornecer financiamento, suporte técnico e oportunidades de desenvolvimento de negócios para mulheres empreendedoras, possibilitando assim o acesso igualitário a oportunidades", disse Solomon Onyata, gerente de comunicações da AECF.

Rio Fish Limited

Sob a liderança visionária de Angela Odero, CEO e cofundadora da Rio Fish Limited, a empresa demonstrou um compromisso inabalável com o empoderamento das mulheres e a sustentabilidade na aquicultura. A jornada de Odero começou com uma profunda percepção da exploração enfrentada pelas mulheres envolvidas na cadeia de suprimento de peixes ao redor do Lago Victoria. Essa percepção alimentou sua determinação de criar um ecossistema de aquicultura mais equitativo e sustentável.

A Rio Fish dedica-se a pôr fim ao comércio explorador de sexo por peixe no Quênia, onde as mulheres comerciantes sofrem exploração sexual por pescadores predatórios. Sua missão gira em torno do estabelecimento de vínculos de mercado robustos para proporcionar às mulheres comerciantes acesso conveniente e acessível a um suprimento confiável de peixes, capacitando-as, assim, a recuperar sua dignidade.

Além da criação de peixes, a Rio Fish opera estrategicamente centros de agregação, adquirindo peixes diretamente de pequenos agricultores que, por sua vez, se beneficiam das instalações da cadeia de frio da empresa, evitando efetivamente perdas pós-colheita. Além disso, a empresa produz produtos de peixe com valor agregado e fornece um aplicativo móvel que facilita o acesso dos agricultores a insumos acessíveis.

Ao receber o subsídio da AECF, Odero expressou sua alegria e o potencial transformador do financiamento, afirmando: "O subsídio não apenas inspirou a Rio Fish, mas também enviou uma mensagem poderosa para o setor: é hora de investir no empoderamento das mulheres e na igualdade de gênero."

Com os fundos concedidos, Odero planeja "fornecer capital inicial e treinamento para mulheres e jovens mulheres, agregar peixes produzidos por pequenos agricultores e oferecer treinamento abrangente em piscicultura , gestão financeira e operações comerciais."

Odero prevê um futuro em que a Rio Fish seja um farol de mudança no setor de aquicultura. O apoio do programa AECF permitirá que a empresa expanda seu alcance, aprofunde seu impacto e execute sua missão de capacitar mulheres e transformar comunidades

Mathildah Amollo (terceira da esquerda para a direita), CEO da Great Lakes Feeds, recebendo seu cheque de subsídio no palco durante o lançamento do programa IIW-BEK em agosto de 2023

A Amollo planeja usar o prêmio para investir em vários equipamentos, como um secador, um transportador de resfriamento e um equipamento de embalagem de ração, para aumentar a eficiência da fábrica de ração © AECF

Liderança visionária na Great Lakes Feeds

Mathildah Amollo, a força motriz por trás da Great Lakes Feeds, é outra mulher notável que está causando impacto no setor de aquicultura do Quênia. Sua jornada na aquicultura começou durante seu tempo como gerente financeira no Sarova Hotel. Ela ficou profundamente comovida com a situação das mulheres em sua comunidade rural, que enfrentavam a exploração dos pescadores devido à diminuição dos estoques de peixes. Isso a motivou a deixar seu emprego aos 40 anos de idade e voltar para casa para capacitar essas mulheres. Ela começou incentivando-as a se aventurar na criação de gaiolas, mas encontrou vários obstáculos.

"Juntas, enfrentamos desafios como a falta de alimentos para peixes e alevinos a preços acessíveis e de qualidade. Para resolver isso, decidi produzir alevinos e rações para peixes usando recursos disponíveis localmente, como soja, torta de algodão, girassol e mandioca. Ao manter os custos de produção baixos, conseguimos vender rações para peixes pela metade do preço das importadas, tornando-as mais acessíveis às mulheres de nossa comunidade. Esse preço acessível atraiu muitas mulheres para a nossa iniciativa", explica Amollo.

A Great Lakes Feeds fornece uma gama diversificada de produtos e serviços, incluindo rações para peixes, alevinos de tilápia e programas abrangentes de treinamento e capacitação. Amollo divide seu treinamento em três sessões. Na sessão inicial, os participantes exploram técnicas fundamentais de aquicultura, incluindo densidades de estocagem, gerenciamento da saúde dos peixes e estratégias de alimentação para uma nutrição eficaz. A segunda sessão aborda a qualidade da água e o gerenciamento pós-colheita. A sessão final se concentra nas dimensões comerciais da aquicultura, orientando os agricultores no planejamento dos negócios da fazenda e na agregação de valor.

Amollo foi motivada a iniciar a Great Lakes Feeds depois de testemunhar a situação das mulheres em sua comunidade rural, que enfrentavam a exploração dos pescadores devido à diminuição dos estoques de peixes

Amollo já treinou com sucesso 700 mulheres, sendo que cerca de 400 delas lançaram seus próprios negócios de criação de peixes em gaiolas. Sua ambição é estender esse treinamento a mais 2.000 mulheres, motivando-as a se tornarem proprietárias de gaiolas de peixes.

Ela se comprometeu a fornecer a todas as participantes 1.000 alevinos, além de ração para os alevinos, gratuitamente. Inicialmente, ela pretende se concentrar no treinamento de 2.000 mulheres do condado de Siaya, com a intenção de expandir para outros condados com o tempo.

A empresa produz atualmente cerca de 200.000 alevinos por mês, mas sua meta é chegar a um milhão por mês por meio da implementação de um sistema de aquicultura recirculante (RAS). Enquanto isso, eles são capazes de fabricar até 30 toneladas de ração para peixes por mês, embora sua produção média mensal atualmente seja de aproximadamente 20 toneladas, de acordo com a demanda do mercado.

"Nosso principal desafio é a disponibilidade sazonal de ingredientes, especialmente de camarões do lago ou 'ochonga' em Luo. Eles só são acessíveis em novembro, dezembro e após a estação chuvosa. Adquiri-los em grandes quantidades durante essa janela limitada requer fundos significativos, mas garantir empréstimos é difícil devido à minha falta de um título de propriedade adequado. Isso torna difícil comprar matérias-primas durante as épocas de pico (dezembro, novembro, abril e maio), quando os preços são mais baixos em comparação com outras épocas, quando podem dobrar", reflete Amollo

Uma estratégia para maximizar o prêmio AECF

A Amollo pretende usar o prêmio para investir em vários equipamentos para aumentar a eficiência da fábrica de ração.

"Planejo investir em maquinário essencial, incluindo um secador, um transportador de resfriamento e um equipamento de embalagem de ração. Essas aquisições são vitais porque abordam desafios operacionais significativos. Anteriormente, não tínhamos essas máquinas, o que nos forçava a depender da secagem das rações ao sol, o que geralmente resultava em tempos de secagem prolongados durante os períodos de chuva. A introdução de um secador agilizaria significativamente esse processo, reduzindo-o para apenas 3 horas. Além disso, o transportador de resfriamento desempenha um papel fundamental no aumento da eficiência geral do sistema de secagem. Além disso, nosso atual processo de empacotamento manual, propenso a imprecisões e atrasos ocasionais, se beneficiaria muito com uma máquina de empacotamento, garantindo maior precisão e eficiência operacional", explica ela.

Assim como Odero, Amollo prevê um futuro em que a Great Lakes Feeds se torne sinônimo de mudança transformadora no setor de aquicultura, aproveitando o apoio do programa AECF para elevar as comunidades e capacitar as mulheres.

Odero (terceira da esquerda para a direita) recebendo seu cheque de subsídio no lançamento do programa IIW-BEK

Odero planeja usar os fundos para fornecer capital inicial e treinamento para mulheres, além de oferecer treinamento abrangente em criação de peixes, gestão financeira e operações comerciais © AECF

AECF busca um impacto transformador

O programa IIW-BEK do African Enterprise Challenge Fund oferece financiamento substancial a empresas de propriedade de mulheres, como a Rio Fish e a Great Lakes Feeds, em uma tentativa de estimular o crescimento econômico, a criação de empregos e a inclusão de gênero no setor.

Com o financiamento em vigor, a Rio Fish e a Great Lakes Feeds estão preparadas para embarcar em uma jornada de inovação, capacitação e práticas sustentáveis no setor de aquicultura do Quênia.

O programa inclui uma instalação de incubação de empresas para fornecer treinamento personalizado e assistência técnica a micro e pequenas empresas. Além disso, tem como objetivo conectar mulheres empreendedoras com institutos de treinamento, alavancar financiamentos, fornecer soluções tecnológicas e fazer parcerias com organizações de direitos das mulheres e com a mídia para campanhas sociais e comportamentais, oferecendo, assim, suporte além da assistência financeira.

O programa tem como objetivo melhorar a vida de 50.000 pessoas pobres e vulneráveis (60% de mulheres) e alavancar investimentos de instituições financeiras privadas, totalizando US$ 2,9 milhões em MPMEs de propriedade de mulheres.

"Até o momento, o AECF já apoiou mais de 375 empresas em mais de 40 cadeias de valor e em 26 países da África Subsaariana. É possível que os aspectos bem-sucedidos desse programa possam informar iniciativas futuras em diferentes setores ou regiões", diz Solomon Onyata, gerente de comunicações da AECF.

Visite o site da organização para obter mais informações sobre as atividades do AECF.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here