Aquicultura para todos

Faces of the futureSander Kristiansen: de criador de salmão a jovem empresário

Salmão atlântico Piolhos-do-mar Criação +9 mais

Com apenas 19 anos de idade, Sander Kristiansen começou a gerenciar uma fazenda com mais de um milhão de salmões e, dois anos depois, ele também está no processo de projetar sua própria embarcação de serviço exclusiva para fazendas de peixes.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
Sander Kristiansen é gerente de produção da Tomma Laks, uma empresa de criação de salmão que trabalha em estreita colaboração com a Nova Sea

Sua introdução ao setor foi trabalhar como aprendiz em uma fazenda de salmão três dias por semana enquanto cursava o ensino médio

Apesar de ter crescido em uma comunidade costeira onde, como em grande parte da Noruega, o petróleo e a aquicultura eram as principais opções de emprego, Kristiansen admite que, até os 15 anos de idade, não sabia nada sobre nenhum dos dois.

No entanto, naquela época, sua escola de ensino médio passou a oferecer um novo curso experimental, desenvolvido em conjunto com as empresas locais de criação de salmão Nova Sea, Mowi e LetSea - que daria aos participantes a chance de combinar três dias de estudo e três dias de trabalho como aprendiz em uma fazenda de salmão por semana.

Apesar de não saber nada sobre a criação de salmão na época, Kristensen ficou impressionado com o que o curso parecia oferecer - não apenas a chance de aprender habilidades práticas, mas também de ser remunerado no processo. Uma inscrição bem-sucedida fez com que ele se tornasse uma das cinco "cobaias" originais do novo curso e um estágio em uma fazenda administrada pela Nova Sea.

"Eu adorei o trabalho. Foi uma experiência nova. Às vezes era fisicamente exigente - eu não tinha passado muito tempo em barcos antes - mas a equipe da fazenda era ótima e eles me ensinaram muito. Tínhamos que aprender tudo e fazer tudo", lembra ele.

Responsabilidade em uma idade jovem

Quatro anos depois, ao terminar o ensino médio, Kristensen estava planejando se mudar para Trondheim para estudar na universidade, até que lhe foi oferecido um cargo de gerente de produção na Tomma Laks - uma empresa de criação de salmão que trabalha em estreita colaboração com a Nova Sea - e ele decidiu aceitar o cargo.

A função envolve a administração de uma fazenda de 14 gaiolas, com uma biomassa máxima permitida (MTB) de 4,6 milhões de toneladas, que é abastecida com 1,1 milhão de salmões por vez. Os principais desafios, segundo ele, são - como na maioria das formas de criação - biológicos e meteorológicos

"O local é um dos mais desafiadores em termos de clima em todo o Nova Sea Group, pois fica no cruzamento de três fiordes, de modo que o clima vem de todas as direções. Os principais desafios biológicos são os piolhos", explica ele.

Embora sua fazenda seja produtiva e - atualmente - lucrativa, Kristiansen acredita que há espaço para o setor melhorar.

"Precisamos descobrir como podemos lidar com a densidade - há muitas granjas atualmente - e como podemos estruturar o setor para que possamos ter a melhor produção com o mínimo de problemas com doenças, especialmente piolhos", explica ele.

No entanto, apesar dos desafios, ele continua otimista de que o setor acabará vencendo a "corrida armamentista" contra os piolhos.

"O setor está em constante evolução, e é disso que eu gosto. Comecei há apenas cinco anos, mas houve muitas mudanças importantes nesse período, em termos de tecnologia e métodos para lidar com os piolhos. Os equipamentos estão se tornando mais confiáveis, há gaiolas maiores, barcos melhores. Temos novas ferramentas para lidar com os problemas. Acho que venceremos a corrida armamentista - eu diria que, no passado, havia mais problemas com piolhos e com doenças", explica ele.

Sistemas de produção alternativos

Os novos sistemas de produção são vistos por muitos como a melhor maneira de evitar os desafios atuais, mas Kristensen está bastante convencido de que alguns têm maior probabilidade de serem viáveis do que outros.

"Acredito muito em sistemas de produção offshore em escala , possivelmente usando tanques-rede semifechados, que são quatro ou cinco vezes maiores do que os que usamos atualmente. Se você colocar fazendas em alto-mar com sistemas semifechados - talvez fechados até 16 m, para impedir que os piolhos do salmão entrem nelas - acho que essa é provavelmente a melhor solução. Você pode ter fazendas muito maiores, sem os problemas de piolhos. É mais difícil para as pessoas trabalharem, mas as fazendas com o pior clima tendem a produzir os melhores salmões. As fazendas com fortes correntes produzem peixes mais densos e menos gordurosos", explica ele.

Como muitos criadores de tanques-rede, ele está menos impressionado com as perspectivas de cultivar salmão de tamanho comercial em ambientes fechados, especialmente na Noruega, que é abençoada com condições naturais tão boas.

"Não acho que as fazendas terrestres sejam a solução - elas não são econômicas e também consomem muita energia, o que não faz sentido em uma época de crise energética. Elas também ocupam muita terra: se fôssemos transferir todas as atuais fazendas de salmão da Noruega para a terra, elas precisariam de uma área do tamanho do condado de Oslo-Akersus. As fazendas terrestres podem fazer sentido para países sem acesso à costa, mas na Noruega nossa maior vantagem são as águas costeiras limpas, perfeitas para a produção de salmões atlânticos", diz ele.

Pensamentos sobre o imposto sobre o aluguel de recursos

Um novo desafio que está muito presente na mente de Kristiansen é mais político do que biológico. Como a grande maioria do setor, ele foi surpreendido pelo anúncio repentino do governo norueguês, no outono, de que planejava atingir os agricultores com um imposto adicional de 40% sobre o aluguel de recursos.

Embora os detalhes desse imposto ainda estejam sendo debatidos - a proposta foi recentemente alterada para 35% - ele está extremamente cético quanto à possibilidade de trazer algum benefício.

"Tenho participado bastante ativamente desse debate e até conversei com o primeiro-ministro sobre isso, mas não chegamos a um acordo", reflete ele, referindo-se a uma viagem a Oslo que fez com a presidente da Nova Sea, Aino Olaisen - como parte de uma iniciativa que visa promover oportunidades para jovens em comunidades costeiras - logo após o anúncio da proposta de imposto.

Embora entenda por que o setor de salmão está sendo visado, ele acredita que o plano tem várias falhas, baseia-se em um mal-entendido sobre as atitudes de muitas das empresas do setor e provavelmente será contraproducente.

Como ele explica: "Não é segredo que o setor de aquicultura ganhou muito dinheiro nos últimos anos e acho que a maioria das empresas estaria disposta a pagar mais impostos, especialmente para as prefeituras locais. A criação de peixes começou como uma forma de salvar as comunidades costeiras locais por meio da criação de empregos, e isso ainda está profundamente enraizado nas estratégias de empresas como a Nova Sea. A empresa foi fundada para construir uma comunidade na ilha de Lovund - que é basicamente uma montanha saindo do mar no meio do nada.

"Embora tenha crescido para além da ilha, com operações em várias comunidades, a empresa ainda gasta seu dinheiro nas comunidades em que está sediada.

"Acho que o imposto terá o efeito oposto. A criação de peixes é um negócio arriscado e de capital intensivo. Se você cortar as margens pela metade, a inovação será mais arriscada, especialmente para as empresas menores - tanto do lado da produção quanto do lado do fornecimento - principalmente se o setor passar por uma fase menos lucrativa. As empresas menores não são integradas verticalmente, portanto, dependem das grandes. E as grandes provavelmente terão que aumentar seus preços para lidar com os custos crescentes causados pelo imposto adicional, combinado com a inflação.

"O setor ganhou muito dinheiro nos últimos quatro ou cinco anos. E nesses anos deveríamos pagar mais dinheiro - é assim que todo o ethos norueguês é construído - mas contribuir mais é diferente de obter um aumento de impostos de 40% da noite para o dia. São necessários muitos anos para cultivar uma geração de peixes, e é um processo de produção complicado, e qualquer aumento de impostos deve ser feito de forma a não prejudicar a produção nem reduzir o valor criado em comunidades remotas.

"O governo estabeleceu uma meta há alguns anos para que as exportações da aquicultura aumentem cinco vezes até 2050. Se eles realmente quiserem atingir esse objetivo, cortar os lucros pela metade não ajudará."

Kristiansen tem sua própria empresa, a Akti Aqua Services

Seu negócio tem como objetivo melhorar a saúde dos peixes e ele está em processo de projetar sua própria embarcação exclusiva

Um empreendedor emergente

O novo imposto também coloca em risco as ambições pessoais de Kristiansen, pois ele está atualmente no processo de projetar sua própria embarcação exclusiva, o que lhe permitiria levar sua própria empresa, a Akti Aqua Services, para o próximo nível.

É muito cedo para ele divulgar os detalhes do uso que pretende dar à embarcação, mas ele está otimista de que seu negócio - que visa melhorar a saúde dos peixes - tem potencial.

"Não é fácil montar um negócio independente, há muitas empresas de serviços com 20 ou 30 embarcações, então preciso ter certeza de que tenho capacidade suficiente para fazer uma série de trabalhos. Ainda é cedo, mas parece bastante promissor e tive muitas conversas positivas com fazendeiros", diz ele.

Ele ficou muito impressionado com o nível de apoio que recebeu do setor desde que se inscreveu como aprendiz. E isso o levou ao topo - tanto na empresa quanto no próprio país.

"Tive a oportunidade de conhecer muitas pessoas importantes do setor e aprender muito com elas: os piscicultores adoram compartilhar conhecimento. É a maneira como o negócio foi construído para superar todos os desafios nos primeiros dias e esse espírito ainda vive no setor hoje", argumenta ele.

Kristensen ficou particularmente impressionado com a quantidade de conselhos positivos que recebeu dos provedores de serviços existentes, mesmo que ele esteja se estabelecendo como um concorrente em potencial deles.

Como resultado, ele está otimista de que - com ou sem impostos - conseguirá fazer de seu negócio um sucesso financeiro e ajudar a resolver muitos dos problemas que atualmente afligem o setor de salmão.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here

Últimas histórias: Faces of the future