Aquicultura para todos

Preparando o caminho para um setor de algas marinhas tropicais mais resiliente

Biotecnologia Doenças Mudanças climáticas +9 mais

Os planos para estabelecer um Instituto Internacional de Resiliência de Algas Tropicais estão ganhando força, após a publicação de um novo estudo abrangente.

por Project manager, Hatch Innovation Services
Karlotta Rieve thumbnail
O novo relatório abrangente identifica áreas de foco estratégico essenciais para o desenvolvimento do setor global de algas marinhas

© Hatch Innovation Services

A comunidade global de algas marinhas há muito tempo apoia a necessidade de um instituto internacional de melhoramento genético com foco na pesquisa aplicada à preservação, desenvolvimento e distribuição de linhagens aprimoradas de alta qualidade de algas marinhas tropicais.

Um relatório recém-comissionado, conduzido pela Hatch Innovation Services, financiado e apoiado pela Cargill, Konservasi Indonesia e Conservation International, fornece um roteiro futuro de como a comunidade global de algas marinhas pode colaborar para apoiar o desenvolvimento desse instituto.

A necessidade de sementes

A aquicultura de algas marinhas tropicais e, em particular, a criação de eucheumatoides, surgiu como um importante setor nos últimos 50 anos, com o aumento da carragenina como uma commodity global. O emprego no setor criou uma linha de vida para várias comunidades costeiras em países tropicais em desenvolvimento. Embora a demanda dos mercados estabelecidos ainda esteja crescendo, as algas marinhas tropicais podem fornecer biomassa mais sustentável para várias outras cadeias de valor de baixo carbono.

No entanto, os produtores de algas marinhas enfrentam desafios urgentes, já que os rendimentos das espécies mais importantes - Kappaphycus alvarezii e Eucheuma denticulatum - têm diminuído nas regiões produtoras mais estabelecidas do Triângulo de Coral, bem como em pontos de acesso à agricultura fora do Sudeste Asiático, como a Tanzânia.

A produção de espécies importantes de algas marinhas diminuiu nos últimos anos

A doença do gelo, mostrada acima, é uma condição que resulta em branqueamento e desintegração da biomassa de algas marinhas © Vicente Covarrubias

Esse declínio foi induzido pela diminuição da diversidade genética nas espécies cultivadas, pelo aumento da suscetibilidade a doenças e pelos impactos das mudanças climáticas. Quando a Hatch realizou sua pesquisa de campo anterior, em 2022, na Indonésia, nas Filipinas e na Malásia, ficou claro que praticamente todos os agricultores lutam para ter acesso a sementes de qualidade.

"Em todas as regiões que visitei, foi chocante testemunhar como a falta de fornecimento de sementes de qualidade afeta as comunidades de cultivo de algas marinhas estabelecidas e como há esforços tão limitados para resolver esse problema", diz Karlotta Rieve, gerente de projetos da Hatch Innovation Services.

Esse sentimento é compartilhado por RA Narayanan, chefe da Ocean AgTech na Sea6 Energy e membro do comitê de direção do projeto: "Em Bali, o berço do cultivo de algas tropicais na Indonésia, hoje temos apenas uma ou poucas variedades que se propagam vegetativamente e elas estão se desfazendo", observa ele.

"Temos uma janela crítica de aproximadamente cinco a 15 anos para fazer a transição do estado atual do setor para onde imaginamos que ele deva estar", acrescenta Alan T. Critchley, pesquisador do Verschuren Centre for Sustainability in Energy and Environment do Canadá, que também fez parte do comitê diretor.

O novo relatório identifica as prioridades estratégicas e as recomendações para um instituto internacional de resiliência de algas marinhas tropicais, baseando-se nas lições aprendidas com as iniciativas do centro de resiliência para várias culturas terrestres.

A falta de material de sementes representa um desafio significativo para os produtores de algas marinhas

© Vicente Covarrubias

Colaboração global para garantir a resiliência em longo prazo

O estudo incluiu a contribuição de mais de 50 participantes importantes da comunidade de algas marinhas tropicais, bem como de especialistas de centros de cultivo internacionais, e destaca cinco áreas de foco estratégico principais que precisam ser abordadas com urgência:

  • Banco de sementes e coleta de material genético nativo
  • Melhoramento de cultivos e reprodução para desenvolver linhagens resistentes ao clima e produtivas
  • Multiplicação e distribuição de material de sementes para acesso equitativo aos agricultores
  • Capacitação e serviços de extensão para disseminar o conhecimento dos pesquisadores para os agricultores
  • Desenvolvimento de estruturas regulatórias e padrões do setor para apoiar a expansão do setor


Com parcerias estratégicas, envolvimento das partes interessadas e acesso aberto em sua essência, um instituto internacional que dissemina conhecimento, material de sementes e capacitação ajudará o setor global de algas marinhas tropicais a atingir todo o seu potencial.

O relatório observa que vários países - como Indonésia, Filipinas, Malásia, Brasil e Madagascar - já possuem laboratórios de algas marinhas e pesquisadores comprometidos com algas marinhas que poderiam atuar como estações satélites de uma organização internacional abrangente. O instituto deve buscar parcerias e trabalhar com os governos para modernizar as instalações de pesquisa existentes e investir em novos programas de banco de sementes e melhoramento de culturas.

Além do apoio financeiro do governo e das agências internacionais de desenvolvimento, o papel dos participantes do setor, ou seja, dos processadores a jusante que dependem de um suprimento constante de algas marinhas, foi reconhecido como importante.

"Precisamos de algo em que o setor possa realmente canalizar o dinheiro para que possamos ter algas marinhas no futuro", explica Valeria Montalescot, especialista em algas marinhas da Cargill.

O relatório é uma conquista histórica na jornada rumo a um setor global de algas marinhas frutífero

© Vicente Covarrubias

Ao fomentar a colaboração internacional, promover as melhores práticas e garantir o financiamento de longo prazo para uma rede de estações de satélite regionais, essa organização guarda-chuva para a resiliência das algas marinhas tropicais tem o potencial de transformar o futuro do cultivo de algas marinhas.

"Para a CI Ventures, as algas marinhas tropicais são um dos setores prioritários para nosso investimento na Ásia-Pacífico (regionalmente) e para nosso investimento em oceanos (tematicamente). O apoio a um Instituto de Resiliência de Algas Tropicais está estreitamente alinhado à nossa estratégia de investimento, com o objetivo de obter maior resiliência climática para as comunidades costeiras, melhoria da produtividade, aumento da renda e outras metas de impacto", explica Satya Reza Faturakhmat, gerente de investimentos sustentáveis que trabalha com a CI Ventures, o braço de investimentos da Conservation International.

Uma abordagem com várias partes interessadas

O lançamento do relatório é um marco significativo na jornada para a criação do Tropical Seaweed Resilience Institute (TRSI), que atualmente é o título provisório da organização.

"Acreditamos que as descobertas deste relatório servirão como catalisador de ações, inspirando as partes interessadas a se unirem em apoio ao instituto", reflete Rieve.

Para o futuro, Rieve espera que o relatório dê início a um processo de consulta, alinhamento de objetivos e colaboração entre as partes interessadas para definir a missão e a trajetória estratégica do TSRI.

Para atingir essas metas, há duas iniciativas importantes no horizonte:

  • Facilitar o envolvimento das partes interessadas e workshops de ideação como parte da iniciativa Tropical Phyconomy Coalition Development (TPCD), atraindo a participação de pesquisadores, indústria, órgãos governamentais, ONGs e possíveis apoiadores

  • Estabelecimento de um comitê de direção internacional eleito, composto por uma gama diversificada de partes interessadas para supervisionar a direção da iniciativa, complementado por subcomitês encarregados de explorar temas específicos identificados durante os workshops

Reconhecimentos

O relatório recebeu financiamento da Cargill, que é um importante participante da cadeia de valor nesse setor, e da Conservational International e da Konservasi Indonesia por meio do Fundo Global de Recifes de Coral.

Um comitê diretor diversificado foi essencial para a compilação do relatório. Ele incluiu Valeria Montalescot (especialista em algas marinhas, Cargill, França), Michael Y. Roleda (professor, Instituto de Ciências Marinhas da Universidade das Filipinas), Alan T. Critchley (pesquisador, Centro Verschuren de Sustentabilidade em Energia e Meio Ambiente, Canadá), R A Narayanan (chefe da Ocean AgTech, Sea6 Energy, Índia) e Burhanuddin Zein (gerente do programa de pesca e aquicultura, Konservasi Indonesia).

O relatório completo pode ser baixado aqui.

Para mais informações ou para saber mais sobre o Tropical Seaweed Resilience Institute, entre em contato com Karlotta@hatch.blue

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here