Aquicultura para todos

Novas pesquisas podem ajudar a reduzir as úlceras de inverno em salmões de viveiro

Salmão atlântico Doenças bacterianas Vacinas +4 mais

Pesquisadores noruegueses fizeram uma descoberta revolucionária que pode ajudar a evitar a morte de salmões de viveiro devido a úlceras de inverno - uma condição que causou sérios problemas na aquicultura norueguesa no inverno passado.

A Nofima está buscando reduzir a incidência de úlceras de inverno em salmões de viveiro

a Moritella viscosa é um dos tipos de bactérias que causam úlceras no salmão. Aqui, Christian Karlsen cultiva duas variedades da bactéria no laboratório. © Jon-Are Berg-Jacobsen, Nofima.

Os salmões podem contrair úlceras na água fria do mar. Uma bactéria chamada Moritella viscosa causa essas úlceras de inverno. É possível vacinar contra essas bactérias causadoras de úlceras de inverno, mas o problema é que a bactéria tem muitas cepas diferentes. A vacina funciona muito melhor se for desenvolvida usando a cepa correta da bactéria.

Christian René Karlsen, cientista sênior da Nofima, tem sido parte integrante da pesquisa nesse campo e publicou recentemente um novo artigo sobre o assunto.

Ao falar sobre seu trabalho, ele observou que o alto desenvolvimento de úlceras pode ocorrer mesmo em peixes que foram vacinados. Em um estudo recente em que peixes com úlceras foram misturados a peixes saudáveis, 15% dos peixes sofreram úlceras profundas e 25% sofreram feridas superficiais.

"A vacina não é perfeita. É por isso que seguimos em frente", disse ele em um comunicado à imprensa.

Além de analisar os efeitos das diferentes cepas de Moritella viscosa, os cientistas aprenderam como a bactéria começa a prejudicar os peixes.

"Ela adere à superfície das escamas. Em seguida, multiplica-se e forma uma colônia. As escamas não são a parte mais externa do salmão. "As escamas são cobertas de muco. A bactéria consegue ficar entre essa camada de muco e as escamas. Ela pode então criar grandes feridas que podem até atingir o tecido muscular", explicou Karlsen.

Quando um peixe é vacinado, ele tem a primeira bactéria em suas escamas. Em peixes não vacinados, as bactérias penetram mais cedo na pele. Atualmente, há várias vacinas contra diferentes bactérias Moritella viscosa no mercado.

A pesquisa foi realizada em colaboração com a empresa de vacinas Pharmaq e financiada pelo Conselho de Pesquisa da Noruega.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here