Aquicultura para todos

Kelp Blue busca um título azul de US$ 80 milhões

Aquicultura restaurativa Algas marinhas / Macroalgas Startups +6 mais

A Kelp Blue anunciou planos para lançar um programa de títulos azuis no final de 2024, com o objetivo de arrecadar US$ 20 milhões por ano durante quatro anos para plantar até 1.000 hectares de florestas de algas na costa de Luderitz, na Namíbia.

A Kelp Blue pretende plantar 1.000 hectares de algas na costa da Namíbia

© Kelp Blue

De acordo com a startup, as florestas de algas desempenharão um papel fundamental no sequestro de carbono, promovendo a biodiversidade e aumentando a abundância da vida selvagem marinha.

Os títulos serão lançados na Bolsa de Valores da Namíbia (NSX) e serão um dos primeiros títulos azuis corporativos listados globalmente, representando um novo canal para o fluxo de capital para projetos semelhantes em todo o mundo.

A Kelp Blue afirma que a estrutura de financiamento inovadora destaca a força da infraestrutura de investimentos na Namíbia e coloca o país na vanguarda das inovações financeiras em setores com visão de futuro. O programa de títulos conterá métricas claras que destacam os impactos ambientais positivos, incluindo o sequestro de carbono, o monitoramento da biodiversidade, a criação de empregos e a diversificação econômica regional decorrente do plantio das florestas de algas mencionadas acima.

Dois e meio por cento dos recursos do título azul serão destinados anualmente ao aprimoramento da conservação e proteção da vida selvagem marinha, apoiando a implementação efetiva do plano de gerenciamento da Área Marinha Protegida das Ilhas da Namíbia (NIMPA).

Kelp Blue comprometeu-se a estabelecer um comitê diretor composto por organizações não governamentais de renome, especializadas em impacto ambiental e social, áreas marinhas protegidas, conservação marinha e práticas regenerativas.

Esse comitê decidirá como os 2,5% comprometidos com o monitoramento eficaz da NIMPA e com a educação sobre os oceanos serão implantados e como os gastos serão relatados; a maior parte será destinada a projetos diretos no local, como DNA ambiental, monitoramento por drone e satélite da Área Marinha Protegida e programas de educação sobre os oceanos em nível escolar nas comunidades costeiras adjacentes à Área Marinha Protegida.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here