Aquicultura para todos
The Fish Site presents: The Vienna Sessions - Conversations about aquaculture. 9 video interviews with aquaculture thought leaders. Watch here.

Ajudando os produtores de tilápia da Colômbia a superar o surto de Streptococcus

Doenças bacterianas Tilápias / Ciclídeos +3 mais

A Manolin*, empresa de inteligência de dados de aquicultura sediada em Bergen, está empenhada em lançar sua plataforma de dados na Colômbia nas próximas semanas para ajudar a combater o atual surto de Streptococcus agalactiae.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
O setor de tilápia da Colômbia está sofrendo com um surto de Streptococcus agalactiae

A doença bacteriana pode causar níveis de mortalidade de mais de 50% em tilápias infectadas © Manolin

A doença bacteriana, que pode causar taxas de mortalidade de mais de 50%, vem causando estragos em todo o país sul-americano, colocando em risco os meios de subsistência dos agricultores. Em 22 de junho, a doença havia sido registrada em 43 fazendas de quatro regiões e foi classificada como uma emergência nacional. Como pode ser transmitida horizontalmente (entre peixes) e verticalmente (transmitida através da reprodução), ela representa uma ameaça séria e de longo prazo.

Embora 400.000 vacinas tenham sido encomendadas à Virbac pelo governo colombiano, e a Vecol esteja procurando desenvolver vacinas domésticas contra a cepa específica de Streptococcus, o fundador da Manolin, Tony Chen, acredita que a plataforma da empresa pode ajudar a coordenar e analisar os principais dados relacionados ao surto para ajudar a controlá-lo e contê-lo.

"As autoridades colombianas estão pedindo aos fazendeiros que implementem medidas de biossegurança: incluindo a quarentena de animais infectados; testes de qualidade da água; melhor filtragem; redução das densidades de estocagem e gerenciamento do estresse", observa Chen.

"Enquanto isso, assim como a maioria das vacinas para peixes, os resultados são promissores, mas a eficácia total para erradicar a doença é improvável e o custo será alto. Também é trabalhoso e demorado injetar cada peixe individualmente", acrescenta ele.

Tony Chen e John Costantino, cofundadores da Manolin

A plataforma da startup ajudou o setor de salmão da Noruega após a proliferação de algas nocivas em 2019

Chen acredita que a Manolin pode fornecer um meio econômico para garantir que o setor seja capaz de reagir da forma mais rápida e eficaz possível - algo que eles conseguiram fazer para ajudar o setor de salmão da Noruega a mitigar os impactos da proliferação de algas que ocorreu no verão de 2019 e causou perdas estimadas em NOK 4 bilhões (US$ 380 milhões).

"Nossa plataforma pode ser usada para estabelecer linhas rápidas de comunicação e rastrear casos e surtos o mais rápido possível. Quando ocorre uma epidemia, como todos sabem agora após a Covid-19, a primeira coisa a fazer é testar e descobrir como agregar os dados em um único lugar o mais rápido possível. Já vimos o setor fazer isso - eles criaram uma linha de WhatsApp para a qual os agricultores podem relatar surtos e sintomas. Mas o que podemos fazer é estabelecer linhas de comunicação e agregar os resultados dos testes de laboratório, além de usar modelos avançados que utilizam IA e aprendizado de máquina, como fizemos com os piolhos do mar na Noruega, para prever a propagação do surto e avaliar os riscos para áreas ou fazendas específicas, de modo que as vacinas possam ser implantadas de forma mais eficaz e a eficácia das vacinas possa ser avaliada", explica Chen

Chen está atualmente em contato com várias organizações relevantes e está oferecendo descontos significativos no uso da plataforma da Manolin.

"Entramos em contato com o departamento de agricultura da Colômbia (ICA), com a associação de agricultores e com ONGs globais que estão presentes no país. Eles expressaram interesse no que estamos fazendo, e estamos trabalhando ativamente com parceiros para ver se uma implantação faz sentido. Gostaríamos de estar operando no país nas próximas duas semanas", diz Chen

Chen tem uma reunião com a ICA no final desta semana e espera que isso ajude a estabelecer as conexões necessárias.

"Precisamos trabalhar com o governo e com parceiros estabelecidos para entender onde estão as fazendas e onde é provável que os surtos estejam ocorrendo", observa ele.

"Precisamos encontrar maneiras de coletar dados sobre surtos, continuando com os dados de testes e sendo capazes de divulgá-los, em espanhol, em nosso site", acrescenta ele.

Caso essas parcerias sejam formadas, Chen está confiante de que a plataforma da empresa poderá estar funcionando na Colômbia com o mínimo de atraso.

"Depois da proliferação de algas norueguesas, nosso sistema entrou em operação poucos dias após o primeiro surto ser relatado. E nossa equipe de tecnologia acredita que poderemos estar funcionando na Colômbia dentro de duas semanas, bem na época em que as vacinas chegarem", explica ele

E Chen acredita que a experiência da empresa na Noruega será de grande valia.

"O que aprendemos na Noruega é que você está lidando com mais do que apenas agricultores. Há uma tonelada de fornecedores, há uma tonelada de logística - toda a cadeia de suprimentos precisa se movimentar e, na Noruega, a representação visual do surto que produzimos permitiu que os barcos de poço entendessem quais áreas evitar, onde os cronogramas de colheita precisavam ser alterados, em que estágio os agricultores estavam em sua produção. Há muito mais em andamento do que o combate ao surto e espero que o mesmo aconteça aqui - todo o setor precisa responder o mais rápido possível e podemos ajudar projetando quais áreas estão mais ameaçadas", observa ele

"No momento, os fazendeiros estão usando o WhatsApp para enviar mensagens de texto ao governo, mas não estão exatamente estruturando as informações ou sendo capazes de executar análises em cima delas - é aí que podemos entrar", acrescenta ele.

*Manolin faz parte do portfólio de investimentos da Hatch, mas o The Fish Site mantém a independência editorial.