Aquicultura para todos

A Virbac entrega vacinas - e esperança - aos criadores de tilápia da Colômbia

Doenças bacterianas Vacinas Tilápias / Ciclídeos +7 mais

O primeiro lote experimental de uma vacina que deve ajudar os criadores de tilápia da Colômbia a combater o novo sorotipo da cepa Streptococcus agalactiae, que foi recentemente relatado na região, chegou ao país na semana passada.

por Senior editor, The Fish Site
Rob Fletcher thumbnail
A Virbac está testando uma vacina que contém o sorotipo 1A e o sorotipo 1B do Streptococcus agalactiae

A vacina mostrou-se eficaz na redução da mortalidade da tilápia em outras regiões, incluindo a África Ocidental © Virbac

Produzidas pela Virbac, as vacinas são projetadas para combater uma cepa específica de Streptococcus agalactiae, chamada de sorotipo 1A, que tem varrido o país nos últimos meses.

O surto foi classificado como uma emergência sanitária nacional pelo governo colombiano, colocando em risco um setor que - de acordo com o Rabobank - produz cerca de 140.000 toneladas de tilápia por ano.

De acordo com Mario Aguirre, consultor técnico da Virbac para espécies de águas quentes na América Latina, o surto atingiu a região da Colômbia - Huila - que é responsável por 68% da produção de tilápia do país, com particular gravidade. Desde então, ele se espalhou para fazendas nos departamentos do Atlântico e de Huila.

As autoridades de saúde animal (ICA) declararam taxas de mortalidade nos seguintes departamentos: Tolima (10%), Huila (12%), Magdalena (37%) e Atlántico (47%), mas alguns comentaristas sugeriram que ela poderia ser maior, com base em alguns dos relatórios de fazendas individuais, bem como em dados coletados de surtos da variante em outras partes do mundo.

Um mapa mostrando as regiões da Colômbia que foram mais afetadas pelo surto

De acordo com Aguirre, uma das principais áreas de produção do país é a Represa Betania, que sofreu rápidas flutuações nos níveis de água. Isso fez com que os fatores de qualidade da água mudassem rapidamente, aumentando o estresse dos peixes e tornando-os mais vulneráveis a patógenos.

"Trata-se de um problema de doença crônica, e o governo abriu as portas para os produtores de vacinas ao declarar uma emergência sanitária nacional. É a primeira vez na região que um governo toma essa decisão - porque a Colômbia exporta uma quantidade significativa de tilápia para os EUA, portanto, é importante para a economia do país e também é uma parte importante da segurança alimentar na Colômbia, e muitas pessoas provavelmente perderão seus empregos", diz ele

Uma nova cepa requer uma nova solução

Considerando que o sorotipo 1A é novo na Colômbia, o governo autorizou a importação de 400.000 doses de uma vacina experimental que a Virbac desenvolveu para a variante - que anteriormente era mais comum em fazendas de tilápia asiáticas e africanas. As autoridades também tornaram obrigatório que os fazendeiros sigam determinados protocolos de biossegurança e relatem quaisquer níveis incomuns de mortalidade.

Até um ano atrás, as únicas vacinas disponíveis na Colômbia eram as vacinas monovalentes contendo S. agalactiae sorotipo 1B, de acordo com Luis Velasquez, gerente da unidade de negócios de espécies de águas quentes da Virbac na América Latina. No entanto, embora a vacina da Virbac ofereça esperança de superar o pior do surto, Velasquez enfatiza que os produtores precisam estar cientes de que ela é apenas um elemento em toda uma série de medidas - incluindo biossegurança, desinfecção, estratégias de produção, genética, entre outras - necessárias para garantir a saúde a longo prazo do setor de tilápia do país.

A vacina que está sendo implantada pela Virbac contém os sorotipos 1A e 1B e foi implantada em países como Gana, onde foi usada com grande eficácia pela Tropo Farms, a maior produtora de tilápia do país, de acordo com Adrian Astier, gerente de contas-chave para a região africana e mediterrânea da Virbac.

De acordo com Astier, as tilápias não vacinadas que são expostas ao sorotipo 1A, especialmente pela primeira vez, podem apresentar taxas de mortalidade de até 40 a 60%.

"O desempenho da vacina tende a ser melhor nas estações mais quentes, porque é quando os surtos de Streptococcus geralmente acontecem", acrescenta ele.

No entanto, Aguirre enfatiza que essa taxa pode variar.

"Estamos muito otimistas de que essa vacina será eficaz na Colômbia quando a testarmos, mas não podemos garantir uma porcentagem específica de sobrevivência, porque ela variará dependendo de uma série de condições em cada fazenda", explica ele.

"Uma vacina é uma ferramenta em seu kit de saúde para peixes; você deve usá-la, mas também certificar-se de seguir as melhores práticas de aquicultura - para manter os peixes o mais saudáveis possível", acrescenta Astier.

"Em termos de custo-benefício, recomendamos aplicar injeções intraperitoneais (IP) quando os peixes atingirem cerca de 25 gramas, pois eles só são afetados em um estágio posterior do ciclo de produção, e isso os protegerá até a colheita", diz Astier.

Implicações globais

Ao analisar o panorama geral, Astier adverte que, com o aumento do movimento de tilápias em todo o mundo, a disseminação de doenças só tende a aumentar e, da mesma forma, haverá a necessidade de vacinas cada vez mais complexas.

"Quando o patógeno está em um lago, por exemplo, é muito difícil erradicá-lo. Não é como no caso das aves. Não é como no setor avícola, onde você pode simplesmente desinfetar o armazém. Uma vez no país, ele permanece, infelizmente", diz ele.

De acordo com Aguirre, embora anteriormente apenas os produtores de tilápia para exportação para os EUA vacinassem seus peixes para garantir uma boa sobrevivência e atender à demanda do mercado, agora os produtores de todo o espectro, inclusive os pequenos produtores que vendem seus peixes no mercado interno, estão procurando usar vacinas.

No entanto, ele enfatiza que os produtores devem entender que não se trata de uma panaceia.

"A vacina não faz milagres - os peixes devem estar em boas condições, e você deve aplicá-la corretamente... tudo deve estar em ordem para garantir que a vacina seja eficaz. É um grande desafio para todos, desde os fornecedores até os fazendeiros", diz ele.

Embora seja claramente um momento alarmante para os produtores de tilápia da Colômbia, um possível ponto positivo é que, a longo prazo, se os produtores começarem a seguir as melhores práticas, isso poderá marcar uma mudança sísmica no setor.

"Acho que é um pouco como o surto do vírus ISA no Chile [no final dos anos 2000], que levou a mudanças importantes na estrutura e no gerenciamento do setor de salmão no Chile", sugere Velasquez.

Nesse meio tempo, os produtores aguardarão os resultados da vacina e esperam poder colher os peixes não vacinados antes que suas fazendas sejam atingidas pelo patógeno.

Create an account now to keep reading

It'll only take a second and we'll take you right back to what you were reading. The best part? It's free.

Already have an account? Sign in here